Quinta-feira, 02 de outubro de 2014
:
IMPRENSA

Agência UDOP de Notícias

Editorias

Galerias

Mídias Sociais

RSS

TV UDOP

Apoio Cultural

Contatos

Home > ÚLTIMAS NOTÍCIAS Diminuir a letra Aumentar a letra
Mecanização já atinge 85% da colheita de cana do país  

16/01/13 - Pressionadas por motivos ambientais e trabalhistas, as usinas sucroalcooleiras já conseguiram mecanizar 85% da colheita e 53% do plantio de cana da região Centro-Sul, responsável pela maior parte da produção brasileira de álcool e açúcar. O indicador é um alívio para dezenas de municípios que há até pouco anos sofriam com períodos anuais de queima da planta, que gera uma "neve negra" de cinzas prejudiciais à saúde, apesar das disputas pendentes na Justiça para a prorrogação dessa prática.

De acordo com dados do Centro de Tecnologia Canavieira (CTC), o Mato Grosso do Sul detém a maior participação de máquinas na colheita de cana atualmente no país - 95% de tudo o que é colhido no Estado. Em Mato Grosso são 90%. Já Goiás, Minas Gerais e São Paulo apresentam 87% de mecanização.

Segundo representantes do setor, o Centro-Oeste lidera esse processo devido ao fato de a cultura da cana ser mais recente na região. "As usinas de lá foram planejadas para a mecanização. É natural que nascessem seguindo novas regras", diz Sérgio Prado, da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica).

Fernando Brod, pesquisador do CTC, estima que já foram investidos cerca de R$ 14 bilhões para a aquisição das "frentes de colheita" - o conjunto de máquinas que envolve desde colhedoras até tratores, transbordos e caminhões.

Brod afirma que uma usina de médio porte necessita de quatro a cinco dessas frentes. A dificuldade, no entanto, está nos produtores menores, menos capitalizados. "A compra de uma colhedora, por exemplo, chega a R$ 800 mil", diz.

Uma solução que vem sendo aplicada no Estado de São Paulo é a utilização desses equipamentos em sistema de cooperativa, onde o custo é rateado pelos produtores.

Aqui, o uso das máquinas na colheita ganhou ímpeto com a assinatura de um protocolo agroambiental dos produtores com as autoridades ambientais em 2007. O documento determina que a queima é permitida em áreas mecanizáveis até 2014 e nas áreas não mecanizáveis (com alto declive) até 2017. Uma medida similar foi adotada também por Minas Gerais.

"As usinas tiveram de partir para a mecanização por pressão da sociedade, mesmo sem ter todas as conveniências. Houve um período de aprendizado para reduzir as perdas", diz Luiz Carlos Correa Carvalho, presidente da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag).

Como toda transição, a passagem do corte humano para a máquina trouxe novidades e revezes às lavouras. No início, a mudança mais sentida foi uma perda de produtividade de 1% porque as facas das colhedoras deixavam para trás "tocos" de cana na terra - justamente a parte onde há a maior concentração de açúcar na planta. Somando isso a outras características internas das máquinas, a produtividade poderia ser reduzida em até 9% do total de cana colhida.

Isso acontecia sobretudo pela falta de nivelamento dos terrenos, que não eram preparados corretamente para entrada das máquinas. O problema foi resolvido com o desenvolvimento pela CTC - e a adoção pela indústria de máquinas - de um corte de base flutuante, pelo qual um circuito regula automaticamente o corte, acompanhando os desníveis dos terrenos.

Depois veio a proliferação de cigarrinhas e brocas. O desequilíbrio surgiu porque a palha da cana, antes queimada, passou a ficar no solo. Para especialistas, o ideal seria que até 30% permanecesse no campo como forma de manter a umidade do solo, e o resto fosse redirecionado à cogeração. Mas os preços pouco atraentes da geração de energia a partir de biomassa desencorajou os produtores de cana a entrar em um novo negócio.

De tudo isso, no entanto, a questão que mais preocupa ainda é o destino dos cortadores de cana. Cada máquina na colheita substituiu 60 homens. Sem detalhar os números, a Unica diz que parte deles voltou para a cidade natal, parte foi treinada para funções diferentes - na usina ou fora dela. Mas a maioria ficou sem o emprego.


Bettina Barros
Fonte: Valor Econômico



Notícias Relacionadas:
 01/10 - Preço do açúcar cai 15% no mercado externo
 01/10 - ALMG discute projeto de redução do ICMS do álcool
 01/10 - Percentual de etanol subirá de 25% para 27,5% na gasolina
 01/10 - Mapa publica Projeções do Agronegócio para a safra 2023/2024
 01/10 - A colheita de grãos deve ser de 252 milhões de toneladas em 2024
 01/10 - Produção de etanol atinge 1,85 bilhão de litros
 01/10 - Queimadas e estiagem afetam safra de cana na região de Ribeirão Preto
 01/10 - Estiagem e queimadas prejudicam produtividade de canaviais em SP
 01/10 - Preço do litro do etanol sobe 4,8% em uma semana em Cuiabá
 01/10 - Grãos terminam setembro com forte queda
 30/09 - ATR: setembro termina com queda de 1,20% no valor mensal e de 0,36% no acumulado
 30/09 - Conferência Internacional Datagro sobre Açúcar e Etanol 2014
 30/09 - Falta de chuva antecipa o encerramento da safra de cana em Ribeirão Preto
 30/09 - Variação do preço do etanol chega a R$ 0,30 no noroeste paulista
 29/09 - Volume de cana processado em MG atinge 42,12 mi/ton
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Editorias
• Galerias
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/