Quinta-feira, 27 de novembro de 2014
:
IMPRENSA

Agência UDOP de Notícias

Editorias

Galerias

Mídias Sociais

RSS

TV UDOP

Apoio Cultural

Contatos

Home > ÚLTIMAS NOTÍCIAS Diminuir a letra Aumentar a letra
Agronegócio, a ilha de produtividade e inovação  

06/03/13 - Em sua carta a El Rei Dom Manuel de Portugal, Pero Vaz de Caminha, o escrivão da frota de Pedro Álvarez Cabral, relatou suas impressões sobre as novas terras descobertas.

Neste, que é o primeiro documento escrito da história do Brasil, Caminha observou que "a terra em si é de muito bons ares (...) Águas são muitas; infindas.

E em tal maneira é graciosa que, querendo-a aproveitar, dar-se-á nela tudo". Estava aí a origem da frase famosa "em se plantando, tudo dá". Mas desde que se iniciou a colonização, percebeu-se que a impressão de Caminha estava errada.

No Brasil, monoculturas como cana e café prosperavam, mas o país tinha muita dificuldade em se abastecer de outros alimentos essenciais. Em geral, nossas terras eram hostis às lavouras e culturas tradicionais europeias.

Muito de nossa inflação altíssima e crônica, inclusive, esteve intimamente ligada aos choques negativos da oferta de alimentos.

A partir da década de 1970, entretanto, esse panorama começou a mudar rapidamente e atualmente, a situação se inverteu.

Há mais de uma década, o agronegócio tornou-se uma verdadeira ilha de produtividade no Brasil, cercada por um mar de estagnação.

Sua produtividade vem crescendo 3,5% a.a. na última década, enquanto que no setor industrial e de serviços, as taxas foram de -0,6% a.a. e 0,5% a.a., respectivamente.

Assim, enquanto a produtividade da indústria recuou e a do setor de serviços praticamente estagnou, a produtividade do agronegócio continua em franca expansão, a despeito dos problemas logísticos e de infraestrutura do país.

Dados mostram que o setor vem crescendo mais que o PIB brasileiro seguidamente e ajudando na estabilidade de preços. Para o nosso comércio exterior, sua importância é imensa.

A participação do agronegócio brasileiro nas exportações tem girado em torno de US$ 80 bilhões, mais de um terço das nossas exportações totais.

Tal fato coloca o Brasil como segundo país maior exportador agrícola mundial, atrás apenas dos EUA, com sua média US$ 150 bilhões de exportações agrícolas.

Aliados às condições naturais do país, o crescimento consistente e a produtividade crescente - inclusive acima da média mundial e da média dos países emergentes -, vêm impulsionando o aumento da internacionalização do setor.

Os três grandes exemplos de internacionalização de empresas do ramo alimentício são as empresas beneficiadoras e frigoríficos de carnes JBS, Marfrig e a BR Foods - resultado da fusão das tradicionais marcas comerciais Sadia e Perdigão.

Essas empresas estão entre as cinco maiores do mundo em seu segmento. Por outro lado, essa verdadeira revolução ocorrida no agronegócio brasileiro vem acompanhada de algo que falta em outros setores da nossa economia: inovação.

O Brasil responde por incríveis 10% das pesquisas e contribuições científicas na área de ciências agrárias feitas no mundo, de acordo com os dados do Ministério da Ciência e Tecnologia.

Essa performance está intimamente ligada à Embrapa, criada nos anos 1970. Para se ter ideia do feito do setor, a contribuição está muito acima da média brasileira de 2% a 3% em outros campos científicos.

O agronegócio é um exemplo do Brasil que dá certo. Por que o resto do país não o imita?


Rodrigo Sias - economista pelo Instituto de Economia da
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Fonte: Brasil Econômico



Notícias Relacionadas:
 26/11 - Real desvalorizado estimula venda de açúcar da nova safra, diz Copersucar
 26/11 - MS já produziu mais de 2 bilhões de litros de etanol na safra 2014/2015
 26/11 - Um fracasso sem explicação
 26/11 - MS colhe menos cana em novembro mas mantém a qualidade
 26/11 - Guarani promove celebrações religiosas para encerrar safra 2014/15
 26/11 - Grupo Clealco atinge recorde histórico de moagem
 26/11 - Genômica torna plantas mais resistentes
 26/11 - South Central sugarcane crush totaled 23.12 million tons ins first-half november
 25/11 - Quantidade de açúcares recuperáveis por tonelada de cana sobe 1,54%
 25/11 - Moagem de cana-de-açúcar no Centro-sul alcança 23,12 milhões de toneladas na primeira quinzena de novembro
 25/11 - Produção de cana em MG já representa 93% do total estimado para a safra
 25/11 - Moagem de cana do CS no acumulado da safra 14/15 tem 1ª queda, diz Unica
 25/11 - Mecanização é realidade na cana
 24/11 - PIB do agronegócio cresce 0,03% em agosto, mostra CNA/Cepea
 24/11 - A cana que dá garapa
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Medalha da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Editorias
• Galerias
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/