Terça-feira, 02 de setembro de 2014
:
IMPRENSA

Agência UDOP de Notícias

Editorias

Galerias

Mídias Sociais

RSS

TV UDOP

Apoio Cultural

Contatos

Home > ÚLTIMAS NOTÍCIAS Diminuir a letra Aumentar a letra
Fim da queima de cana beneficia máquinas  

06/05/13 - Com a proximidade do fim do prazo para que as usinas eliminem as queimadas para o corte de cana em São Paulo, o setor de máquinas colhedoras estima crescimento de 25% nas vendas deste ano.

Até 2014, a colheita manual deverá ser substituída pela mecanizada em 100% das áreas planas do Estado, nas quais a topografia do terreno permite a operação das máquinas. No restante dos locais, o prazo vence em 2017.

Segundo representantes da área, serão vendidas no país 1.250 colhedoras de cana neste ano, acima das mil máquinas comercializadas, em média, nas últimas safras.

A fabricação de colhedoras de cana no Brasil completa 20 anos em 2013, mas já movimenta por ano acima de R$ 1 bilhão --cada máquina custa até R$ 1 milhão.

Em duas décadas, gigantes internacionais --Case, John Deere e AGCO-- entraram no país e ganharam espaço sobre a mão de obra exercida antes por boias-frias.

As máquinas também evoluíram. Hoje, as colhedoras têm GPS e piloto automático --equipamentos que tornam a operação automatizada, reduzindo os impactos que o tráfego pesado no canavial.

As primeiras colhedoras de cana entraram em uso no interior paulista em 1993, na região de Ribeirão Preto (SP). Antes disso, havia projetos de mecanização desde os anos 1970, mas basicamente com máquinas que não eliminavam a necessidade do fogo.


Impactos

Quando entraram em operação em 1993, as máquinas colheram 0,5% da cana. Já na safra 2012/2013, a Unica (união das usinas) calcula que a mecanização chegou a 85% do centro-sul do país.

A colheita mecânica se acelerou a partir de 2007, quando foi assinado o protocolo ambiental entre as usinas e o governo paulista para eliminação das queimadas --prática adotada para que a cana pudesse ser cortada manualmente por boias-frias.

A mecanização impactou diretamente no trabalho no campo. José Giacomo Baccarin, do departamento de economia rural da Unesp de Jaboticabal, estima que no início dos anos 1990 o número de cortadores de cana chegava a 300 mil no Estado.

O total recuou para 213 mil em 2007 e 130 mil no ano passado, segundo estudos feitos por ele com informações do Ministério do Trabalho.

Segundo dados da Unica, só de 2010 a 2012, 21,7 mil trabalhadores canavieiros aprenderam uma nova profissão em programas de capacitação --muitos trocaram o podão pelas colhedoras.


04/05/13
Leandro Martins

Fonte: Folha de S. Paulo



Notícias Relacionadas:
 01/09 - Etanol anidro recua 2% e hidratado 1,8% em agosto, segundo o Cepea
 01/09 - Clima afeta canaviais e Biosul revê para baixo estimativa de safra de MS
 01/09 - Etanol tem R$ 0,30 de diferença entre postos em Cuiabá; Em dois meses queda chega a R$ 0,70
 01/09 - `É preciso migrar para a economia baseada na biomassa´
 01/09 - Pesquisadores do IEA prevêem novo recorde de vendas de fertilizantes em 2014
 01/09 - Mudança no cenário político pode favorecer o setor
 01/09 - Volta do imposto da gasolina vai reabrir a competitividade
 29/08 - Raízen: Custo elevado tira competitivadade do setor sucroenergético
 29/08 - Usinas de álcool pedem falência
 29/08 - Usinas do Oeste Paulista preveem redução de até 20% na safra da cana
 29/08 - Marina Silva faz campanha no interior de São Paulo
 29/08 - Pesquisas utilizam microrganismos para gerar produtos químicos a partir da glicerina
 29/08 - Marina adota discurso de usineiros e ataca política federal para o etanol
 29/08 - Marina defende marco regulatório ´claro´ para setor de cana
 29/08 - Em AL, clima favorece a cana e gera quase 3 mil postos de trabalho
 29/08 - Indústrias de AL antecipam colheita e moagem da safra da cana de açúcar
 29/08 - Marina Silva diz a empresários que energia limpa é fundamental para o Brasil
 29/08 - Cosan foca eficiência e etanol de 2ª geração; descarta aquisições
 28/08 - Platts Kingsman reduz estimativa para safra de cana do centro-sul do Brasil
 28/08 - Etanol brasileiro é prejudicado e estrangeiro privilegiado. Pra que serve a teimosia? Prejuízos!
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Editorias
• Galerias
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/