Quinta-feira, 27 de novembro de 2014
:
IMPRENSA

Agência UDOP de Notícias

Editorias

Galerias

Mídias Sociais

RSS

TV UDOP

Apoio Cultural

Contatos

Home > ÚLTIMAS NOTÍCIAS Diminuir a letra Aumentar a letra
A automação agropecuária  

05/12/13 - O impacto dos avanços científicos e tecnológicos nos diferentes setores da economia mundial é cada vez maior. No Brasil não é diferente e uma área particularmente importante vai oferecer novas oportunidades para o país: a automação na agropecuária. Esse tipo de sistema possui enorme potencial de ampliar a produtividade e a produção de um setor hoje responsável por 25% do PIB, 40% dos empregos e das exportações e que continua mantendo superávit e a balança comercial positiva. Neste ano, e apenas até setembro, o avanço do PIB agrícola foi de 8,1%.

Processos de plantio, manejo de ervas daninhas, fertilização, irrigação e colheita há muito utilizam e continuam demandando desenvolvimento e adaptação de máquinas, equipamentos e automação. Ocorre que cada vez se torna mais premente viabilizar a automação em maior escala em função da contínua redução de mão de obra para atuar em diferentes atividades no campo, um cenário comum nos países desenvolvidos e que avança rapidamente no Brasil. Essa agenda pode também ser convenientemente conciliada com práticas modernas de uso mais eficiente de insumos e recursos naturais (água e solo) de imensa relevância para manter a competitividade e sustentabilidade do setor.

A empresa Enalta, de São Carlos, usando tecnologias, sensores, GPS e comando de voz para etapas de plantio e irrigação em cana-de-açúcar, contando com o apoio da Embrapa, ganhou destaque mundial ao ser apontada, em 2013, como uma das 50 empresas mais inovadoras, e a única da América do Sul, numa relação em que constam gigantes como Apple e Microsoft.

Outros exemplos, em fase de adoção crescente, vêm da cadeia animal, como o recente desenvolvimento de um robô tratador de suínos, da empresa Rupado, do Paraná, que é capaz de dosar a quantidade de ração ideal para cada baia individual, registra a temperatura do ambiente, mapeia enfermidades e medicamentos utilizados, marca o consumo de alimento, controla o estoque no silo de ração, é acoplado com sensor de presença para abastecimento, entre outras facilidades, como a opção de ser programado para servir mais de uma pocilga. O robô atende a até dois mil animais, ou três galpões, e se desloca por meio de trilhos específicos. Esses dois casos conciliam criatividade nacional, capacidade de superar desafios complexos e já estão disponíveis para o mercado.

A automação pode e deve avançar pela agropecuária como forma de assegurar o aumento de produção e produtividade no Brasil e ainda manter e estimular o crescimento das indústrias de máquinas e equipamentos agropecuários no país. Há que se ressaltar, contudo, que não temos resultados no mercado em abundância e que é cada vez maior o interesse de empresas multinacionais nas oportunidades crescentes do agronegócio brasileiro.

Assim, para se manterem viáveis e competitivas, será cada vez mais importante que as indústrias de máquinas e equipamentos brasileiras gerem inovações que possam dar melhor desempenho e ampliar a gama de atividades atendidas. Uma boa estratégia para alcançar esse objetivo é a ampliação de parcerias entre as indústrias e as instituições de pesquisas públicas e privadas. Recente edital do governo federal, o Inovagro, lançou linhas de financiamentos, com recursos do BNDES e da Finep, para as indústrias gerarem produtos inovadores, sendo a área de máquinas e equipamentos agropecuários uma das contempladas. Outras instituições de fomento estaduais, como a Fapesp, também têm linhas de estímulo à cooperação de empresas para gerar inovações. Portanto, em alguma medida, os indicativos e estímulos estão sendo dados.

Um mecanismo ainda pouco utilizado no agronegócio por aqui é a estratégia do conceito de "cluster" em determinada cadeia produtiva ou sistema de produção. Na Nova Zelândia, um "cluster" associado à cadeia produtiva do leite foi implementado em aço inoxidável (isso mesmo). O país, que já é competitivo em sistemas de produção de leite, está se projetando como um grande e competitivo "player" em toda a maquinaria e equipamentos (baseados em aço inoxidável) para a cadeia produtiva do leite a fim de atingir o mercado mundial.

O Brasil poderia eleger seus "clusters", associados a emergentes sistemas produtivos ligados ao agronegócio brasileiro, e que demandam equipamentos e máquinas automatizados, constituindo mercado atual e futuro no país e em diferentes regiões do planeta, em especial áreas tropicais.

A Embrapa vem atuando e se consolidando como desenvolvedora e usuária de métodos e equipamentos automatizados. Exemplo disso é a agenda de trabalho da Embrapa Instrumentação (São Carlos, SP), criada em 1984, e que inaugurou em 20 de setembro, o Laboratório de Referência Nacional em Agricultura de Precisão (Lanapre), preparado para constituir novas e estratégicas parcerias com empresas públicas e privadas. De fato o Lanapre foi inaugurado já no formato de Unidade Mista de pesquisa em parceria com a Universidade de São Paulo (USP) e Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Além de redes de pesquisas em andamento ligadas à temática, a Embrapa está também implementando um Portfólio de P&D&I em Automação Agrícola, Pecuária e Florestal.

Enfim, a automação irá avançar trazendo alternativas "de mão de obra" para o produtor rural brasileiro com diminuição de custos, aumento de produtividade e potencial para alavancar novamente nossa indústria de máquinas e equipamentos justamente no setor econômico mais competitivo do país, o agronegócio.


Ladislau Martin Neto - Diretor de pesquisa e desenvolvimento da Embrapa
Fonte: Valor Econômico



Notícias Relacionadas:
 26/11 - Real desvalorizado estimula venda de açúcar da nova safra, diz Copersucar
 26/11 - Petrobras prevê para dezembro início da operação da P-61 em Papa-Terra
 26/11 - Tributo da gasolina anima mercado e desagrada consumidor
 26/11 - MS já produziu mais de 2 bilhões de litros de etanol na safra 2014/2015
 26/11 - Um fracasso sem explicação
 26/11 - MS colhe menos cana em novembro mas mantém a qualidade
 26/11 - ´É mais um artificialismo´, diz Miriam Leitão sobre preço máximo da energia
 26/11 - Nordeste é o maior prejudicado por nova canetada no setor elétrico
 26/11 - Transportadores chegam ao final de 2014 mais pessimistas
 26/11 - Etanol de 2ª geração tem a segunda unidade de produção autorizada
 26/11 - Volume negociado recua na semana e preços se estabilizam
 26/11 - Chuva forte atinge represas e quatro sistemas sobem em SP
 26/11 - Aneel estabelece novos limites de PLD para 2015
 26/11 - IBGE mapeia infraestrutura do país e aponta "vazio logístico" no Nordeste e Norte
 26/11 - Terminal tira das BRs 6 mil t de grãos por dia
 26/11 - Real desvalorizado estimula venda de açúcar da nova safra, diz Copersucar
 26/11 - MS já produziu mais de 2 bilhões de litros de etanol na safra 2014/2015
 26/11 - Um fracasso sem explicação
 26/11 - MS colhe menos cana em novembro mas mantém a qualidade
 26/11 - Guarani promove celebrações religiosas para encerrar safra 2014/15
 26/11 - Grupo Clealco atinge recorde histórico de moagem
 26/11 - Genômica torna plantas mais resistentes
 26/11 - South Central sugarcane crush totaled 23.12 million tons ins first-half november
 25/11 - Quantidade de açúcares recuperáveis por tonelada de cana sobe 1,54%
 25/11 - Moagem de cana-de-açúcar no Centro-sul alcança 23,12 milhões de toneladas na primeira quinzena de novembro
 25/11 - Produção de cana em MG já representa 93% do total estimado para a safra
 25/11 - Moagem de cana do CS no acumulado da safra 14/15 tem 1ª queda, diz Unica
 25/11 - Mecanização é realidade na cana
 24/11 - PIB do agronegócio cresce 0,03% em agosto, mostra CNA/Cepea
 24/11 - A cana que dá garapa
 25/11 - Indicação de Kátia para Agricultura agrada lideranças
 25/11 - Exportação do agronegócio tem queda intensa
 24/11 - PIB do agronegócio cresce 0,03% em agosto, mostra CNA/Cepea
 24/11 - Dá para integrar as informações logísticas?
 21/11 - O potencial sul-americano a partir do agronegócio
 21/11 - Renda da agropecuária de MT deve crescer 4% em 2014, diz Mapa
 19/11 - Rendimento do agronegócio paulista diminui
 18/11 - Renda agropecuária de MS deve crescer mais de meio bilhão em 2014
 18/11 - Valor Bruto da Produção atinge R$ 461,0 bilhões em outubro
 18/11 - Alta do diesel impacta em R$ 260 milhões no agronegócio em MT
 17/11 - Tecnologia de aplicação vira aposta para reduzir riscos no agronegócio
 17/11 - Seca elevou preço agropecuário no IGP-10, diz Quadros
 17/11 - Agropecuária e serviços puxam alta e PIB de MS soma R$ 54,4 bilhões
 17/11 - IGP-10 sobe 0,82% em novembro, informa a FGV
 17/11 - Soja, milho e bovinos fizeram IGP-10 subir em novembro
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Medalha da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Editorias
• Galerias
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/