Sexta-feira, 28 de abril de 2017
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Com a palavra... | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Investing.com | Investing.com Internacionais | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Opinião Aumentar a letra    Diminuir a letra
Ingredientes na panela  

20/03/2017 - Conceitualmente, volatilidade no mercado de commodities está intimamente ligada à oferta e demanda do produto. Quanto maior a incerteza sobre a disponibilidade de uma matéria prima mais participantes estarão dispostos a pagar mais para se proteger dos efeitos negativos que essa disruptura pode trazer a eles. Igualmente, fatores exógenos podem contribuir para potencializar as oscilações de preços. No mercado de açúcar tem sido fartos os ingredientes cozidos nesse caldeirão.

Uma generosa dose de incerteza vem da Índia quando se analisam as perspectivas de produção e a eventualidade de aquele país importar açúcar. O preço do barril do petróleo abaixo de cinquenta dólares e o real se valorizando em relação à moeda norte-americana são outros componentes que afetam negativamente a paridade do etanol, diminuem a margem de contribuição e empurram as usinas a maximizar a produção de açúcar. Isso combinado com a perspectiva precedente de que o mix de produção da safra 17/18 prioriza a produção de açúcar, deprimem ainda mais os preços no mercado internacional.

Em commodities, é verdade, há momentos em que todos os fatores aparentam ser altistas e em outros, como parece ser o caso agora, em que todos os fatores parecem baixistas. A euforia e o desespero revezam-se no protagonismo sobre esse palco chamado mercado, seduzindo uma horda de abnegados seguidores que ora agem com entusiasmo infantil ora com pessimismo mórbido.

Do mesmo modo que ouvíamos, há alguns meses, teimosos gestores ignorando os altos preços negociados em reais por tonelada que garantiriam um excelente resultado para as empresas (porque acreditavam que o mercado futuro iria ainda mais longe), agora, ouvimos das mesmas bocas, "que tem muito açúcar" e há temor de maiores quedas adiante. Vá entender.

Diante da impossibilidade de adivinharmos o futuro, com exceção daqueles que ainda acreditam em gurus e que procuram médicos que receitam remédios produzidos em suas próprias farmácias, o melhor antídoto para as crises "existenciais" que nos vitimam é usar calculadora e disciplina. Por isso, é reconfortante saber, por exemplo, que várias usinas estão entre 80 e 100% hedgeadas para a safra 2017/2018. E algumas já entraram nas fixações de 2018/2019. Ou seja, fizeram a lição de casa, trataram o negócio com disciplina e dispensaram os conselheiros espirituais.

Preços nos níveis que vimos nesta sexta-feira, com a mínima de 17.50 centavos de dólar por libra-peso negociando no vencimento maio/2017, começa a mudar a abordagem dos produtores europeus. Por exemplo, será que a Europa vai expandir sua exportação como se achava quando o mercado orbitava ao redor dos 22-23 centavos de dólar por libra-peso? Preços baixos do açúcar no mercado internacional estreitam a arbitragem com o etanol e persistindo a pressão lá fora, não faria mais sentido para a usina produzir etanol cujo valor é melhor para o fluxo de caixa imediato da usina? Essas respostas valem ouro.

Em outras palavras, o potencial de queda a partir de agora começa a ser bem menor. Chegamos ao fundo do poço? Mercados de commodities costumam exagerar na alta e na baixa e seria temerário apostar que já vimos o chão, mas os fundos liquidaram bem suas posições e ganharam muito dinheiro com elas. Com base no fechamento da terça passada eles estão apenas 95,000 contratos comprados. NY pode retrair um pouco mais, buscando 16-17 centavos de dólar por libra-peso porque sazonalmente abril-maio-junho-julho tem preços médios menores do que o março, mas vemos uma eventual visita nesses níveis como uma oportunidade de fixação para os consumidores industriais ou mesmo de recompra de hedge para aqueles que tem pressão arterial de um menino de quinze anos.

Os ingredientes são fartos, como dissemos e o resultado dependerá da dose de cada um. A entrega de março foi um ponto de exaustão de um mercado altista. Se chegamos ao fundo ainda vai depender do que vai sair dessa panela.

O fechamento de NY a 18,17 centavos de dólar por libra-peso e o dólar a R$ 3,1010 representam menos de R$ 1,300 por tonelada. E lá se vão mais de R$ 450 por tonelada desde a máxima negociada em outubro do ano passado. Dá uma dor de cotovelo, não dá não? Não se desespere, coloque um CD de bolero bem triste, uma caixa de lenços de papel e tome uma dose de uísque. Vai passar.

O Brasil está no fundo do poço também? Assim esperamos. Treze milhões de desempregados, 7.2% de queda do PIB em dois anos. Herança de um governo de canalhas, corruptos e bandidos. Poucos se salvam nesse lamaçal que virou a vida política nacional. Que pesadelo. Como o refrão que ficou famoso nos anos 80, "se gritar pega ladrão, não fica um". O Blue Label continua aguardando ser sorvido para comemorar o dia em que o bandido número 1 for preso.

*Artigo originalmente publicado no portal Archer Consulting no dia 17/03/17. Comentário semanal de 13 a 17 de março.

Arnaldo Luiz Corrêa
Diretor da Archer Consulting
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
28/04/17 - Umidade no solo beneficia plantio da safra de inverno
  - Centro-Sul deve colher mais de 583 milhões de toneladas na safra 2017/18
  - Em Chicago, foco permanece na safra americana e preços do milho iniciam 6ª feira em campo negativo
  - Petróleo se recupera das recentes perdas e sobe apoiado pelo dólar mais fraco
  - Chefe da estatal de petróleo da Líbia critica governo apoiado pela ONU no país
  - Inflação ao consumidor da zona do euro acelera para 1,9% em abril
  - Confiança da indústria no Brasil permanece em abril no maior nível em 3 anos, diz FGV
  - Unica: vendas de etanol na 1ª quinzena de abril caem quase 20%
  - Açúcar amplia perdas da semana e preços caem mais uma vez no mercado internacional
  - Expansão dos EUA no 1º tri é a mais fraca em 3 anos, afetada por gastos do consumidor
  - Desemprego chega a 13,7% e já atinge 14 milhões de pessoas no Brasil
27/04/17 - Perspectivas da safra 2017/18 não sustentam preços e açúcar cai para a casa dos 15 cents
  - Valorização do dólar ajudou na alta do IPP de março, diz IBGE
  - Dólar sobre ante real por cautela com reforma da Previdência
  - Centro-Sul inicia safra 2017/18 de cana com moagem 46,38% menor, revela Unica
  - Safra 2017/18 começa com queda na moagem de cana e produção de açúcar no centro-sul
  - Centro-Sul inicia safra 2017/18 com queda de quase 50% no processamento
26/04/17 - Dólar sobe e vai à casa de R$3,17, com exterior e temor com Previdência
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Ingredientes na panela
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
Se não consegue ler a palavra, clique aqui.
Digite a palavra:
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Medalha da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário/Workshop
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/