Sexta-feira, 25 de maio de 2018
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Fórum de Articulistas Aumentar a letra    Diminuir a letra
O etanol não pode esperar  

10/04/2017 - O setor sucroalcooleiro nacional, que já passou por diferentes ciclos desde o advento do Proálcool, vem enfrentando um longo período de crise, motivado, em grande medida, por má gestão governamental. A inexistência de ações concretas do governo atual para a recuperação efetiva da competitividade do etanol afasta cada vez mais a esperança de inversão desse cenário.

O caminho traçado até a atual configuração do setor sucroalcooleiro é conhecido, mas vale recordar. O último ciclo de prosperidade do setor e, sobretudo, do etanol teve fim com o anúncio da descoberta do petróleo do pré-sal e a crise econômica mundial de 2008. Desde então, o setor desacelerou as suas atividades e paralisou investimentos, mergulhando num período de crise, que persiste até os dias de hoje, motivado por uma soma de políticas equivocadas do governo.

Uma delas foi a política de controle de preços dos combustíveis fósseis, que, somada a desonerações, como o fim da Cide em 2012, subsidiou o preço da gasolina por um longo período, estimulando seu maior consumo e comprometendo a competitividade do etanol. Acometido pelos efeitos nocivos da política de preços do combustível fóssil, o setor sucroalcooleiro padeceu com aumento da dívida e corte na expansão dos investimentos e da produção. O resultado foi uma crise generalizada, que, em seu ápice, levou a dívidas de cifra próxima de R$ 100 bilhões e ao encerramento de atividades em dezenas de usinas por problemas financeiros.

Em 2015, o aumento nas vendas de etanol acendeu uma luz no fim do túnel para o setor. Esse cenário resultou de três principais fatores: a volta da cobrança da Cide e a desoneração das alíquotas do PIS/Cofins sobre o etanol; os reajustes da Petrobrás no preço de refinaria; e mudanças nos regimes de ICMS para o etanol e a gasolina em alguns Estados. No fim de 2016, a nova política de preços da Petrobrás soou positiva ao setor sucroenergético, por dar certa previsibilidade à cotação dos produtos. No entanto, o fim da desoneração do PIS/Cofins e a manutenção de um valor baixo da Cide, que não incorpora as externalidades positivas do etanol, mantiveram o combustível renovável esquecido pelas políticas do governo.

Por isso, o resgate do setor sucroalcooleiro precisa ir além e passar por incentivos sólidos e direcionados, que não foram vislumbrados até o momento.

Um exemplo é a permanência da utilização errônea da Cide. Ela deve ser usada como um imposto ambiental, excluindo-a da preocupação de controle inflacionário. Esse acréscimo da Cide no preço da gasolina deve refletir a sua característica fóssil e incentivar o consumo do etanol, combustível limpo e renovável.

A baixa competitividade do etanol e a falta de ações concretas levam os produtores a optarem pela maior produção de açúcar, ampliando a oferta global e forçando para baixo o preço internacional da commodity. A queda do preço externo, combinada à valorização do real, em 2016, reduziu fortemente a atratividade das exportações do açúcar, pressionando os preços internalizados em reais. Atualmente, o preço do açúcar de uso caiu de US$ 0,23 para abaixo de US$ 0,17 por libra-peso, mais de 20% de queda, levando o País a perder cerca de US$ 2 bilhões em receita de exportação por ano, o que é incrível e muito ruim.

Por enquanto, o Programa RenovaBio só apresenta intenções, sem nenhuma ação concreta. Isso vem provocando destruição de valor no setor sucroalcooleiro. Por fim, essa política errática levará a importações crescentes de gasolina e, pasmem, à importação de etanol americano em 2017. Isso sem falar no não cumprimento das metas ambientais acordadas na COP-21, em Paris. Estamos jogando fora a vantagem comparativa que o Brasil tem no campo da energia. É isso que o País precisa e deseja?

*Artigo originalmente publicado no jornal O Estado de S. Paulo no último sábado (8).

Adriano Pires
Diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE)
Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores, não representando,
necessariamente, a opinião e os valores defendidos pela UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
24/05/18 - Unica: Moagem cresce 10,5% e produção de etanol avança 39,3% na 1ª quinzena de maio
  - Usinas do PR suspendem venda de etanol, trato cultural e plantio de cana
  - Energia influencia IPCA-15 de maio, que fica em 0,14%
  - Não é apenas pelos R$ 0,05
  - FAPESP e Shell lançam Centro de Inovação em Novas Energias
  - Reservatórios do SE/CO seguem operando abaixo de 43%
  - Preço do frete para transporte de açúcar recua 3,9%
  - Reforma do setor elétrico pode ser votada na Câmara em agosto, prevê deputado
  - Ações da Petrobras têm queda de 13% na Bovespa
  - UDOP e FCAV Unesp/Jaboticabal projetam parceria na divulgação de estudos e inovações voltadas à
  bioenergia
  - Dólar volta a subir e encosta em R$3,65 com cena doméstica e exterior
  - Primeira quinzena de maio registra aumento na moagem de cana-de-açúcar do Centro-Sul
  - Clima tem ajudado na colheita da cana
  - Produção de etanol nos EUA cai 2,83% na semana, para 1,028 milhão de barris/dia
22/05/18 - Em maio, volume de hidratado negociado mais que dobra
  - Fatec Araçatuba recebe inscrições para duas graduações gratuitas
21/05/18 - RenovaBio: MME debate propostas das metas compulsórias de redução de emissões na matriz de
  combustíveis
  - RenovaBio ainda enfrenta divergência quanto a metas
17/05/18 - El sector de los Biocombustibles un aliado estratégico para la Sostenibilidad
17/04/18 - Política e acordo comercial estão no radar das commodities
  - Araçatuba é destaque na geração de emprego na indústria
  - Indústria paulista cria 10 mil vagas em março e tem melhor desempenho desde 2013
10/04/18 - Exportações do agronegócio sobem 4,1% em março; saldo comercial é de R$ 7,79 bi
  - Saldo comercial do agronegócio alcança US$ 7,79 bilhões em março
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
O etanol não pode esperar
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Troféu da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário/Workshop
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/