Domingo, 17 de junho de 2018
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Diversas Aumentar a letra    Diminuir a letra
Desconectadas, ferrovias brasileiras apresentam baixa rentabilidade, dizem chineses  

16/06/2017 - Principal foco do governo para a atração de investimentos chineses, as ferrovias foram criticadas por potenciais investidores pelo fato de não comporem um sistema, durante o encontro empresarial Brasil-China. Os empresários chineses disseram que, pelo fato de não estarem interligadas, elas podem ter baixa rentabilidade. Um deles questionou se não seria possível separar a construção das linhas de sua operação.

O secretário de Desenvolvimento da Infraestrutura do Ministério do Planejamento, Hailton Madureira, disse que há no Brasil opções nos três modelos. Ele informou que o governo contratou a construção de linhas, como foi no caso da Norte-sul, cuja conclusão está prevista para o início do próximo ano. Mas, dadas as restrições fiscais, não há previsão de grandes contratações por ora, explicou.

Ele disse que o governo dialoga com o setor privado para ver se há interesse das empresas em construir um trecho da Ferrovia de Integração Oeste-leste (Fiol) e operar a parte que já foi construída com recursos públicos. O trecho que está em construção liga o porto de Ilhéus (a ser construído) com minas de ferro no interior da Bahia. A parte a ser construída seguiria desse ponto até inteligar-se com a Ferrovia Norte-sul. A Fiol, disse o secretário, é o início da Ferrovia Bioceânica, considerada uma prioridade pelos chineses.

Outro projeto oferecido pelo secretário é uma sociedade para concluir a Transnordestina. Esse projeto é uma parceria do governo federal com a CSN, explicou ele. O governo está disposto a aportar sua parte no trecho que falta, mas a CSN busca um sócio privado para fazer sua parte.


Fundo

O Fundo Brasil-China, de US$ 20 bilhões, que começou a operar este mês, deverá aprovar em agosto sua primeira lista de projetos, disse nesta sexta-feira o ministro-interino do Planejamento, Esteves Colnago, após a abertura do encontro.

Entre os candidatos estão a Ferrovia Norte-Sul, a Ferrogrão e outros projetos da carteira do Projeto de Parcerias de Investimentos (PPI). Os projetos em infraestrutura chamam mais a nossa atenção, disse Colnago, mas o fundo pode financiar empreendimentos em outras áreas.

Também na abertura, o embaixador da China no Brasil, Li Jinzhang, disse que o fundo poderá financiar projetos na indústria. Ele observou que seu país lançou um programa chamado Made in China 2025 e o Brasil, por sua vez, trabalha no projeto Indústria 4.0. Esses dois esforços de reformulação industrial poderiam, de alguma forma, ser conjugados por meio do fundo.


Transações

O fundo será um modelo para cooperações entre a China e outros países da América Latina, disse Li Jinzhang.

Na abertura, ele destacou que as relações entre os dois países avançam de maneira positiva em suas três linhas: comércio, investimentos e financeira.

No ano passado, disse o embaixador, as transações comerciais chegaram a US$ 58 bilhões, o que representa 18% do comércio exterior brasileiro. Os investimentos diretos chineses estão em crescimento e são um destaque na cooperação bilateral.

O embaixador listou três diretrizes para o bom funcionamento do fundo. A primeira, disse ele, é definir prioridades. Nesse tópico, ele listou os projetos na área industrial e afirmou que a China será parceira do Brasil na execução de projetos em infraestrutura.

A segunda, afirmou o embaixador, é que o fundo deverá seguir princípios de mercado e operar con forme regras internacionais de forma cautelosa, diminuindo riscos. Ele citou como exemplos de projetos com essas características as Parcerias Público-Privadas (PPPs). Ele pediu, ainda, pressa na assinatura do convênio de proteção de investimentos bilaterais e outras medidas para facilitar investimentos.

A terceira diretriz reforçada pelo embaixador é o planejamento. Ele comentou que, nos últimos anos, a China liberou US$ 140 bilhões em investimentos para a America Latina e que o fundo bilateral ajudara na seleção de projetos

Lu Aiko Otta
Fonte: O Estado de S. Paulo
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
15/06/18 - Dólar cai mais de 2% após BC reforçar atuação e volta a R$3,73
  - Impacto na movimentação de açúcar já começa a ser visto com o impasse sobre os fretes
  - ANP e Cade criam grupo para analisar mercado de combustíveis
  - Greve de caminhoneiros impacta carga de energia em maio, que fica estável, diz ONS
  - IBC-Br cai 0,29% na média do trimestre até abril ante três meses anteriores
  - Importações de soja pela China devem crescer 6% no ciclo 2018/19
  - Agricultura paranaense registra ganhos de produtividade acima da média brasileira
  - Soja reduz perdas em Chicago nesta 6ª feira, mas tensões entre EUA e China seguem em foco
  - Exportação de soja do Brasil cai entre 3 e 9 de junho, diz Anec
  - Guerra comercial EUA-China marcam o recuo do milho em Chicago, depois do tombo da 5ª
  - Mudanças sugeridas podem reduzir preço do frete em até 20%, diz Abcam
14/06/18 - Fux dá 48 horas para Temer e órgãos do governo explicarem MP sobre fretes
  - Porto de Paranaguá planeja avançar no mar
  - Fila de navios para embarcar soja no Brasil cresce 60% com protestos e tabela de fretes
13/06/18 - Paranaguá movimenta em maio 4,4 mi/t, recorde para mês mesmo com greve dos caminhoneiros
  - Capacidade de armazenamento de alimentos cai 0,6%, diz IBGE
  - Política de preços dos combustíveis e monopólio da Petrobras são criticados em audiência
  - Mercado da soja em Chicago entra em calmaria com o aperto de mão de Trump/Kim Jong-Un
08/06/18 - Imposto de combustível é muito alto aqui? No Reino Unido, é quase o dobro
07/06/18 - Mais de 30% da malha ferroviária estão inutilizados, diz estudo da CNI
  - Pressão de produtores força Trump a suspender reforma da política de biocombustíveis
06/06/18 - Temer aprova meta de emissões do RenovaBio
01/06/18 - Porto de Santos deve demorar 10 dias para retomar atividades após greve; prejuízo supera R$ 370
  milhões
09/05/18 - Safra de Mato Grosso usa mais ferrovia para chegar ao Porto de Santos
08/05/18 - Por que o Brasil não investe em ferrovias? E por que deveria investir
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Desconectadas, ferrovias brasileiras apresentam baixa rentabilidade, dizem chineses
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Troféu da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário/Workshop
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/