Quinta-feira, 23 de novembro de 2017
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia | Energia | Espaço Datagro
Etanol | Fórum de Articulistas | Investing.com | Investing.com Internacionais | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Opinião Aumentar a letra    Diminuir a letra
Uma potência negligenciada  

13/11/2017 - São amplamente conhecidas as valiosas contribuições que o agronegócio tem dado ao desenvolvimento do Brasil e dos brasileiros. De acordo com a estimativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o Produto Interno Bruto (PIB) do setor deverá crescer 2% em 2017. Hoje, toda a cadeia produtiva do agronegócio responde por cerca de 20% do PIB nacional.

São números impressionantes, sobretudo quando contrastados com um passado não tão longínquo. Há meio século, o País dependia da importação de comida para alimentar sua população. Hoje, é o segundo maior exportador de alimentos do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos.

A segunda posição nesse ranking, no entanto, é questão de tempo. Um relatório da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), elaborado em parceria com a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), publicado em julho de 2015, prevê que o Brasil será o líder mundial em exportação de alimentos na próxima década.

A impressionante reversão de um estado de dependência externa para a vice-liderança da produção mundial de alimentos em apenas 50 anos se deu por uma série de fatores, merecendo destaque a vasta porção de terra cultivável no País, as condições climáticas favoráveis à produção diversificada, o rápido desenvolvimento da capacidade de nossas cadeias produtivas, o desenvolvimento de tecnologia agropecuária e o aumento natural da demanda. A cada ano, uma massa de aproximadamente 155 milhões de pessoas engrossa o mercado consumidor de alimentos no mundo.

A nota dissonante vem da triste constatação de que a pujança do agronegócio é apenas uma fração do que ele poderia ser não fossem os crônicos problemas logísticos e de infraestrutura que há décadas sufocam a reconhecida capacidade de desenvolvimento do setor e interpõem-se entre o Brasil que conhecemos e a potência que poderia ser.

Coerente com uma história de apoio às atividades agrícola e pecuarista que remonta à sua fundação, há quase 143 anos, o Estado, em parceria com a CNA, promoveu o Fórum Estadão Logística e Infraestrutura no Agro para discutir com especialistas, da iniciativa privada e do governo, os problemas do escoamento da produção agropecuária e da expansão das novas fronteiras agrícolas do País.

As causas dos problemas são conhecidas, assim como o que deve ser feito para eliminá-los. Já no painel de abertura, João Martins da Silva Júnior, presidente da CNA, lembrou que 60% da infraestrutura para o escoamento da produção agropecuária está concentrada no modal rodoviário, reconhecidamente mais caro e ineficiente.

De acordo com pesquisa da Confederação Nacional dos Transportes (CNT), 61,8% das rodovias brasileiras estão em condições "regular", "ruim" ou "péssima". Os dados apontam uma piora em relação ao ano passado, quando 58,2% das estradas foram consideradas problemáticas.

A má qualidade das rodovias afeta especialmente Estados agrícolas, como Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Pará, que concentram algumas das piores estradas do País. É justamente nesses Estados que estão os eixos de tráfego mais pesado para o transporte de cargas, que levam a produção agropecuária até os principais portos do País.

Ante a miríade de prioridades que o poder público deve atender, notadamente nas áreas de saúde, segurança e educação, é previsível que faltem investimentos em grandes projetos de infraestrutura e logística. Para piorar, cada governante parece ter o seu próprio modelo ideal para o desenvolvimento do setor, mais preocupado em deixar uma marca individual do que um legado para a Nação.

A saída para desatar este nó que asfixia o crescimento do País pode estar no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) com a iniciativa privada, que detém os recursos tecnológicos, humanos e financeiros para avançar. Se os governos não continuarem a atrapalhar, já serão de grande ajuda.

12/11/17
Fonte: O Estado de S. Paulo
Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores, não representando,
necessariamente, a opinião e os valores defendidos pela UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
22/11/17 - Milho: Chicago tenta viés de alta nesta 4ª para testar os compradores neste fim de colheita
  - CBOT: Mercado de grãos deve abrir em alta; feriado amanhã reduz liquidez
  - Chuva permite desenvolvimento das lavouras
  - Encomendas de bens de capital nos EUA caem, mas mercado de trabalho segue forte
  - Pequenas descoladas
  - Petróleo registra alta com dados dos EUA e expectativa de reequilíbrio
  - Taxas futuras de juros rondam estabilidade, após abrirem com viés de alta
  - Comissão da UE diz que 6 países da zona do euro podem quebrar regras orçamentárias em 2018
  - Reservatórios do Norte operam abaixo de 18% da capacidade
  - Produtor rural enfrenta alta nos insumos e queda no retorno por produção no mês de outubro
  - Liquidações de nuclear e cotas das hidrelétricas registram 100% de adimplência
  - Bolsas europeias buscam direção, de olho na Alemanha, Reino Unido e Fed
  - Após duas sessões de quedas, soja testa leves altas em Chicago nesta 3ª feira
  - Yellen ainda prevê recuperação da inflação nos EUA mas diz estar "bastante incerta"
  - Itaipu alcança marca histórica de 2,5 bi de MWh em produção acumulada
  - Soja: Brasil: Estoques da safra 2016/17 deverão crescer 114% frente a anterior
  - Plenário analisa urgência para projeto que cria Política Nacional de Biocombustíveis
21/11/17 - CBOT: Mercado de grãos deve abrir em queda; soja tem menor demanda
12/05/17 - Bioenergética Aroeira comemora 1000 dias sem acidentes no setor Agrícola
  - Maio Amarelo reforça segurança no trânsito na Bioenergética Aroeira
11/05/17 - Bioenergética Aroeira passa a produzir açúcar na temporada 2017/18
23/01/17 - Instabilidade do etanol muda foco dos negócios na Bioenergética Aroeira
09/06/16 - Bioenergética Aroeira Comemora "Dia Mundial do Meio Ambiente"
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Uma potência negligenciada
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
Se não consegue ler a palavra, clique aqui.
Digite a palavra:
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Medalha da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário/Workshop
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/