UDOP - União Nacional da Bioenergia
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Fórum de Articulistas Aumentar a letra    Diminuir a letra
Dia Mundial do Meio Ambiente, a bioeletricidade e a confiança nas instituições  

06/06/2017 - A origem do Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado no Brasil em 5 de junho, remonta ao ano de 1972, quando na cidade de Estocolmo, capital da Suécia, teve início, justamente no dia 5 de junho, a primeira das Conferências das Nações Unidas para o Meio Ambiente Humano, e por essa razão foi 5 de junho a data escolhida como Dia Mundial do Meio Ambiente.

A Conferência foi até o dia 16 de junho daquele ano e que produziu a Declaração sobre Ambiente Humano, ou Declaração de Estocolmo, e resultou no estabelecimento dos princípios para questões ambientais internacionais, incluindo direitos humanos, gestão de recursos naturais, prevenção da poluição e relação entre ambiente e desenvolvimento.

Um dos Princípios constantes da Declaração de Estocolmo, o oitavo, menciona que o desenvolvimento econômico e social é indispensável para assegurar ao homem um ambiente de vida e trabalho favorável e para criar na terra as condições necessárias de melhoria da qualidade de vida.

Em 1972, o setor sucroenergético brasileiro produzia um total de apenas 472 GWh. Em 2016, o total produzido pelo setor sucroenergético foi de 36 mil GWh, incluindo a geração de energia elétrica para o autoconsumo e a exportação de excedentes para o Sistema Interligado Nacional.

Na linha do 8º Princípio da Declaração de Estocolmo, toda esta performance propiciou não somente aumentar a participação da energia renovável na matriz energética brasileira, mas o próprio desenvolvimento econômico e social.

A partir de Costa & Prates (2005), podemos estimar que a produção de 36 mil GWh em 2016, nos reporta para uma geração de empregos diretos pela bioeletricidade sucroenergética de mais de 194 mil postos sustentados na chamada "economia verde", mostrando a capacidade de criação de emprego intrínseca ao investimento em bioeletricidade sucroenergética.

Estima-se que essa energia renovável produzida, quando somamos tanto o autoconsumo das usinas quanto o produzido para o Sistema Interligado, foi equivalente a ter evitado a emissão de quase 16 milhões de tCO2, marca que somente seria atingida com o cultivo de 111 milhões de árvores nativas por 20 anos.

Já o 17º Princípio da Declaração de Estocolmo estabelece que devemos confiar às instituições nacionais competentes a tarefa de planejar, administrar ou controlar a utilização dos recursos ambientais dos estados, com o fim de melhorar a qualidade do meio ambiente.

Considerando as recentes declarações de representantes do Ministério de Minas e Energia de que poderemos ter - ainda em 2017 -, um leilão para contratação de energia de reserva e, eventualmente, um leilão A-5 no ambiente regulado, renova-se a confiança de que, havendo a confirmação destes certames, a bioeletricidade possa participar de todos, sem exceção, a bem da competição e da continuidade de contratação desta energia renovável e sustentável.

Lembrando a origem do Dia Mundial do Meio Ambiente e, no escopo dos Princípios estabelecidos pela Declaração de Estocolmo, podemos afirmar que a bioeletricidade é um ótimo exemplo de avanço das energias renováveis no bojo das preocupações com o desenvolvimento sustentável e, portanto, devemos ter confiança nas instituições de que a bioeletricidade não será excluída do planejamento dos leilões regulados em 2017 (e nem dos de 2018, 2019, 2020, 2021,...!), buscando-se o desenvolvimento econômico e social e a qualidade do meio ambiente, conforme pregam os consagrados 8º e 17º Princípios da Declaração de Estocolmo.

Zilmar José de Souza
Gerente de Bioeletricidade da União da Indústria de Cana-de-Açúcar - Unica
Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores, não representando,
necessariamente, a opinião e os valores defendidos pela UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
13/12/19 - São Martinho eleva produção de açúcar em 11,4% em 2019/20 e em 6,9% a de etanol
12/12/19 - LNBR divulga 46ª edição do Boletim de Monitoramento da cana-de-açúcar em São Paulo e Goiás
  - RenovaBio dá previsibilidade que jamais tivemos no Brasil, afirma CEO da Raízen
11/12/19 - Moody´s melhora perspectiva para setor de etanol e açúcar do Brasil
  - COP 25: Setor já reflorestou mais de 200 mil hectares de mata
09/12/19 - Pesquisa testa o uso de nióbio como catalisador em célula a combustível
  - Carnes, energia elétrica e jogos de loteria impulsionam IPCA em novembro
06/12/19 - Alvo de pressão, cúpula da pasta de Minas e Energia deve ser substituída
  - Brasil eleva projeção de carga de energia em 2020, mas reduz para 2019
  - Volume desce 0,5% no submercado Norte, que opera abaixo de 20%
05/12/19 - Volume desce 0,5% no submercado Norte, que opera abaixo de 20%
04/12/19 - Em meio à polarização, entidades do agronegócio abandonam coalizão com ambientalistas
  - Ano marcado por investimento em novas usinas e crescimento das fontes renováveis
03/12/19 - Câmara de Mudanças Climáticas de São Paulo será presidida por Evandro Gussi
26/11/19 - Energias Renováveis é tema de seminário do TCU; acompanhe Ao Vivo
  - Renováveis crescem na AL e Caribe, conclui auditoria
25/11/19 - Concentração de gases do efeito estufa bate recorde em 2018, diz agência da ONU
21/11/19 - Uso do termo aumentou mais de 100 vezes desde 2018, de acordo com banco de dados do dicionário
  britânico.
11/11/19 - ONU pede maior investimento em fontes renováveis de energia
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Dia Mundial do Meio Ambiente, a bioeletricidade e a confiança nas instituições
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário: