UDOP - União Nacional da Bioenergia
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Economia Aumentar a letra    Diminuir a letra
Negócios com grãos travam no Brasil com queda do dólar  

08/10/2018 - Negócios envolvendo soja e milho no Brasil praticamente zeraram nesta segunda-feira diante da forte queda do dólar ante o real, um reflexo do desempenho do candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, no primeiro turno das eleições de domingo.

Grãos de soja em indústria na cidade de Primavera do Leste, Mato Grosso, Brasil 06/02/2013 REUTERS/Paulo Whitaker
O presidenciável do PSL teve 46 por cento dos votos válidos, contra 29 por cento de Fernando Haddad (PT) —ambos disputarão o segundo turno do pleito presidencial em 28 de outubro.

A avaliação é de que um eventual governo de Bolsonaro seria mais alinhado ao mercado, e por essa razão o dólar BRL= recuava cerca de 2 por cento no início da tarde desta segunda-feira, sendo contado abaixo de 3,75 reais mais cedo.

"O reflexo do câmbio sobre os preços e a comercialização (de grãos) é imediato... Estamos vendo um mercado com pouca movimentação. A não ser que haja uma reversão (de sentimento), nesses patamares de preços os negócios não são interessantes", resumiu o corretor César Ricardo Bombardieri, da Moema Corretora de Grãos.

Na avaliação do diretor da Cerealpar, Steve Cachia, "com o dólar desse jeito, o mercado já deu uma recuada hoje de manhã".

"A princípio, os vendedores vão dar uma parada para ajustar, aguardar as notícias. Na sexta-feira, as indicações em Paranaguá eram de 95 reais, 95,50 reais por saca (de soja). Hoje é de 91 reais", destacou Cachia.

Apesar de acentuada neste início de semana, a retração nos negócios vem ocorrendo desde a semana passada, conforme avaliação do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, com compradores aguardando novas quedas nos preços em função da pressão do câmbio.


Outros fundamentos

De acordo com os corretores ouvidos pela Reuters, os próximos dias serão de produtores no aguardo de uma melhor definição acerca do câmbio no país, embora outros fatores tenham potencial de destravar negócios.

"O produtor já fez uma venda bastante significativa dos volumes que ele tinha. Agora só está esperando oportunidades, que podem ser de uma alta em Chicago, outra mudança no câmbio ou qualquer outra alteração internacional", afirmou o corretor Marco Forcin, da América Corretora.

Produtores de soja do Brasil foram beneficiados neste ano pela escalada da guerra comercial entre Estados Unidos e China, que resultou em uma taxa de 25 por cento sobre a oleaginosa norte-americana. Com isso, compradores chineses recorreram à commodity brasileira e pagaram prêmios em relação aos preços no mercado internacional.

A disputa entre as duas maiores economias do mundo pesou sobre os preços da soja na Bolsa de Chicago SX8, que hoje estão em torno de 8,70 dólares por bushel, o menor nível em cerca de uma década.

Para Cachia, da Cerealpar, é provável, entretanto, que as mínimas já tenham sido observadas.

"Está tendo de excesso de chuvas que está atrapalhando os trabalhos de colheita (nos EUA). Além disso, alguns fatores geopolíticos, como o acordo do Nafta, deram um sentimento bom para o mercado de commodities em geral", avaliou.

José Roberto Gomes
Fonte: Reuters
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
18/09/19 - Milho: Mercado futuro trabalha com ligeiras desvalorizações nesta 4ª feira em Chicago
  - Milho: Mercado futuro opera com ligeiras perdas na manhã desta 4ª feira na CBOT
  - Índices chineses avançam à espera de corte de juros nos EUA, com foco em comércio
  - Soja trabalha estável em Chicago nesta 4ª feira e espera notícias para definir direção
  - Guerra comercial e ataque saudita são riscos ao crescimento global, diz diretor-geral da OMC
  - Etanol de milho cresce em ritmo acelerado
  - Milho: Bolsa de Chicago cai até 1,60% nesta terça-feira e devolve ganhos da segunda
17/09/19 - Colheita do milho safrinha se encerra no Paraná, segundo Deral
  - Grãos/Deral: no Paraná, colheita da 2ª safra de milho é colhida; de trigo atinge 44%
11/09/19 - BR fecha safra 2018/2019 com recorde de 242,1 m/t de grãos
  - Safra de grãos de Goiás aumenta mais de 15% no ciclo 2018/2019
10/09/19 - Safra de grãos deve fechar 2019 com crescimento de 5,9% , diz IBGE
05/09/19 - IBGE: valor da produção agrícola nacional cresce 8,3% e atinge recorde de R$ 343,5 bilhões
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Negócios com grãos travam no Brasil com queda do dólar
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário: