UDOP - União Nacional da Bioenergia
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Combustíveis Fósseis Aumentar a letra    Diminuir a letra
Cotação do petróleo deveria estar US$ 15 mais alta, diz analista  

10/09/2019 - Produção total de petróleo da Opep foi de 29,99 milhões de barris por dia em agosto. (Christian Hartmann/Reuters)

A perspectiva de uma prolongada guerra comercial EUA-China continua a afetar a demanda e reduz os preços do petróleo em US$ 15 por barril, mesmo com os mercados físicos no nível mais baixo em meia década, segundo a Energy Aspects.

A estratégia de cortar a produção da coalizão Opep+, liderada pela Arábia Saudita, que está prestes a entrar em seu quarto ano, trabalhou em um nível técnico, reduzindo os estoques globais, disse Amrita Sen, analista-chefe de petróleo da consultoria com sede em Londres. Mas isso não foi suficiente para valorizar as cotações por causa das táticas comerciais agressivas do presidente dos EUA, Donald Trump, explicou.

Enquanto isso, a surpreendente demissão do ministro de Energia da Arábia Saudita, Khalid al-Falih, não deve provocar uma mudança na política de produção de petróleo do país, disse Sen.

"Do ponto de vista político, tudo o que a Arábia Saudita fez deu certo: os estoques estão se esgotando e o mercado está incrivelmente apertado", disse Sen em entrevista em Cingapura antes da Conferência Ásia-Pacífico de Petróleo. "No entanto, o preço fixo é de US$ 60. Isso não tem nada a ver com Al-Falih e tudo a ver com Trump."

A produção total de petróleo da Organização dos Países Exportadores de Petróleo foi de 29,99 milhões de barris por dia em agosto, abaixo dos 34 milhões de barris no fim de 2016. Os estoques de petróleo da OCDE haviam caído 17% até setembro de 2018 em relação ao pico em março de 2017, mas recuperaram cerca de metade dessa baixa com a menor demanda.

A oferta de petróleo espesso e sulfuroso do Oriente Médio é ainda mais restrita na Ásia, devido às novas refinarias que são projetadas para processar esse tipo de petróleo que entra no mercado, resultando em um déficit estimado de 3 milhões de barris por dia, disse Sen.

"Os fundamentos estão muito apertados", disse. "Se você fizer uma correlação entre os níveis de estoque e os spreads de tempo, o preço fixo deve ser US$ 15 mais alto."

A Arábia Saudita, no entanto, poderá obter o aumento de preços que está buscando nos próximos meses, à medida que os operadores começarem a perceber que a taxa de crescimento antes épica da produção de gás de xisto nos EUA está diminuindo, disse Sen.

As taxas de produção inicial nos poços de gás de xisto estão crescendo mais lentamente do que nos anos anteriores e têm diminuído em algumas bacias, afirmou. Isso ocorre em parte porque os perfuradores atingiram o limite de ganhos de produtividade e, em parte, porque estão ficando sem áreas de primeira linha e migrando para uma geologia menos prolífica.

Fonte: Bloomber
Texto extraído do Exame
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
19/09/19 - Petrobras eleva preço da gasolina em 3,5% e do diesel em 4,2%
  - Preços do petróleo ampliam perdas após promessa da Arábia Saudita de restaurar produção
  - O preço dos combustíveis no Brasil na comparação internacional
18/09/19 - IEA não vê necessidade de liberar estoques emergenciais de petróleo
  - Mesmo com alta do petróleo, BC deve baixar juro para novo piso histórico, apostam economistas
  - Preços do petróleo caem 6% após ministro saudita apontar para recuperação da produção
  - ANP reforça fiscalização para apurar abuso de preços nos postos de gasolina de Brasília
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Cotação do petróleo deveria estar US$ 15 mais alta, diz analista
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário: