FALTAM APENAS

DIAS

HORAS

MINUTOS

SEGUNDOS

PARA O EVENTO MAIS INOVADOR DO SETOR

FALTAM APENAS

DIAS

HORAS

MINUTOS

SEGUNDOS

PARA O EVENTO MAIS INOVADOR DO SETOR

Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Cofco planeja investir mais no Brasil, mas será seletiva, diz executivo
Publicado em 25/09/2019 às 09h07
A operadora de commodities estatal chinesa Cofco planeja continuar investindo no Brasil no futuro próximo, após ter atingido uma posição significativa no mercado local, mas será muito seletiva na escolha de seus próximos alvos.

A Cofco comercializa grãos, oleaginosas, açúcar, café e algodão no Brasil, onde mantém a maior parte de seus 36 armazéns na América Latina, além de oito plantas de processamento de alimentos e dez terminais portuários.

"É uma empresa que tem robustez financeira, tem capacidade de investimento... que vai fazer investimentos para materializar o crescimento que ela projetou (para o Brasil)", disse à Reuters o managing director da divisão de grãos e oleaginosas da Cofco International no Brasil, Valmir Schaffer, em uma entrevista na noite de segunda-feira.

"Mas (a empresa) vai fazer investimentos de forma consequente, de olho no retorno do investimento, e não simplesmente sair comprando mundos e fundos", ponderou Schaffer. Ele não especificou a quantia que a trader planeja investir no país.

Em apenas alguns anos, a Cofco avançou para uma posição no Brasil que rivais mais tradicionais, como Cargill, Bunge e Archer Daniels Midland, levaram décadas para construir. A empresa chinesa já é uma das maiores exportadoras de grãos do Brasil e também possui posições significativas em açúcar, etanol, algodão, biodiesel e café.

A maior fatia do avanço ocorreu com as aquisições de Noble e Nidera, que fizeram parte de um montante de 4 bilhões de dólares utilizado pela Cofco nos últimos anos para expandir para além da China e garantir um alcance global, seguindo uma nova estratégia elaborada pelo comando chinês.

A companhia usou muita "expertise" brasileira nesse caminho. Três dos cinco membros do comitê executivo da Cofco International são brasileiros.

Schaffer afirmou que o rápido crescimento da empresa no Brasil chamou atenção, considerando especialmente a situação financeira difícil enfrentada por várias companhias após uma profunda recessão no país.

"A gente recebe uma profusão muito grande de indicações de potenciais ?deals? no mercado e de ofertas de ativos", disse ele. "Mas, de novo, (a empresa) é muito cautelosa ao investir, e só o faz após avaliar todas as possibilidades de qualquer tipo de investimento antes de mover a próxima peça."

A operadora está envolvida em discussões a respeito de um possível projeto ferroviário, batizado de Ferrogrão, que ligaria Mato Grosso aos portos do Norte do Brasil, mas disse que ainda não há conclusão quanto ao tema.

Schaffer afirmou que o Brasil ainda possui um grande espaço para expansão agrícola, e que é o local onde as coisas continuarão a acontecer no futuro da produção alimentícia.
Marcelo Teixeira e Roberto Samora
Fonte: Reuters
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.