Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Commodities recuam na China após notícia sobre corte na meta de crescimento do país
Publicado em 22/05/2020 às 17h03
Os mercados de commodities da China caíram depois que o país asiático afirmou que reduziria sua meta de crescimento anual e imporia leis de segurança nacional em Hong Kong na reunião do parlamento deste ano.

A maioria dos contratos de metais, agricultura e energia nas bolsas de Xangai, Dalian e Zhengzhou fecharam em queda nesta sexta-feira.

Um trader de metais com sede em Shenzhen disse que, enquanto a decisão da China de reduzir sua meta de crescimento anual se somava ao tom de baixa do mercado, os preços das commodities já começaram a cair depois que a China disse que iria propor legislação de segurança nacional para Hong Kong em sua reunião anual do parlamento.

"O mercado está mais preocupado que esse movimento da China agrave as tensões entre a China e os EUA e outros países, e isso levará a uma maior incerteza econômica".

Preocupações persistentes com o consumo de petróleo da China, uma vez que mantém os esforços para conter o coronavírus, também atingem os preços.

"Os baixos preços do petróleo hoje estavam relacionados não apenas com a meta de não crescimento, mas como um todo, a recuperação do petróleo não tem sido boa", disse Xi Jiarui, analista de petróleo da JLC Consulting.

"A oferta doméstica excede a demanda. O mercado ainda está lento por causa da situação epidêmica".

No entanto, alguns contratos como os futuros de soja de Dalian e de farelo de soja fecharam em alta.

Os futuros de minério de ferro de Dalian também obtiveram ganhos, apoiados por forte demanda doméstica, oferta reduzida e como a China prometeu aumentar o apoio fiscal à sua economia.

"Todo o mercado de commodities está fraco, já que o relatório do governo não estabeleceu uma meta de produto interno bruto, então os produtos agrícolas também estão do lado fraco", disse Lin Qing, analista agrícola da Junrui Futures.

Produtos como farelo de soja podem receber algum apoio, já que a deterioração das relações EUA-China provocou preocupações com o fornecimento, acrescentou ela.
Fonte: Reuters
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.