Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Grãos: Preços de milho, soja e trigo seguiram em alta em Santa Catarina em setembro
Publicado em 23/10/2020 às 17h56
Os preços de grãos em Santa Catarina seguem em alta, informou hoje, em nota, a Secretaria de Estado da Agricultura, Pesca e Desenvolvimento Regional do Estado, com base no levantamento da Epagri/Cepa. De maneira geral, exportações e demanda interna aquecidas explicam a valorização das commodities.

Para o milho, o avanço em setembro no preço médio pago ao produtor foi de 6,8% em relação a agosto e 34,3% acima do valor de setembro de 2019. Segundo a pasta, em 14 de outubro foi registrada a cotação de R$ 61 a saca de 60 quilos do grão. "As exportações e a alta demanda interna explicam os preços elevados", diz a secretaria, que complementa: "Se persistir o quadro de poucas chuvas no oeste do Estado, há risco para o potencial produtivo das lavouras".

Em relação à soja, os preços pagos ao produtor bateram recordes nominais da série avaliada pela Epagri/Cepa, com aumento de 9,2% entre agosto e setembro. Nos últimos 12 meses, a alta foi de 40,79%. Segundo a secretaria, as chuvas irregulares em setembro e início de outubro estão provocando atraso no plantio em algumas regiões do Estado. "Em outubro, se inicia o calendário mais recomendado para o plantio na maioria das regiões catarinenses", diz a nota. "A persistência de níveis insuficientes de chuvas poderá afetar a germinação e o início do desenvolvimento das plantas, fase importante para a cultura."

Quanto ao trigo, mesmo com a colheita iniciada no Estado - o que, aumentando a oferta, faria o preço ceder -, o cereal segue se valorizando. Desta forma, a saca de 60 quilos apresentou alta de 5,12%, com média mensal de setembro em R$ 60,20 ante R$ 57,27 do mês anterior. "O baixo volume de chuvas observado em setembro em muitas regiões produtoras catarinenses pode afetar a qualidade do produto colhido."
Fonte: Broadcast Agro
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Mais Lidas