Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Milho: entre o legal e o moral, mercado interno assanha o produtor a arriscar o primeiro e romper exportação
Publicado em 28/04/2021 às 08h29
Foto Notícia
A máxima de que nem tudo que é legal é necessariamente moral pode ser analogia ao rompimento de contratos de exportações de commodities. Por isso não se espere que algum exportador admita que esteja praticando o washout, mesmo sendo obrigado a indenizar o comprador.

Como agora, com o mercado suspeitando que produtores de milho estejam recomprando lotes vendidos para abocanharem a margem do mercado interno. A explosão dos preços, atingindo máximas recordes, pelas condições adversas da safrinha e demanda muito positiva -- além de atraso no plantio dos Estados Unidos -- faz a indústrias brasileiras saírem às compras com avidez.

Essa opção, embora estabelecida nos contratos internacionais de commodities, nunca é assimilada pelos importadores -- ou uma trading -- sobretudo no caso atual, quando configurando a especulação e não um problema sério que impeça o exportador cumprir sua obrigação.

"Está bem fácil para o produtor se sentir tentado a praticar o washout, com o milho no mercado interno superando os R$ 100 a saca, no disponível, e de até R$ 85 para entrega em agosto", diz Marlos Correa, da InSoy Commodities.

Como outros analistas, ele sabe que o instrumento está sendo utilizado por vários exportadores, mesmo sob risco de terem uma porta fechada no futuro.

Para o analista de Cascavel (PR), mesmo pagando a recompra, o produtor ainda consegue um lucro razoável sobre o bushel em Chicago.

Nesta terça (27), os negócios tiveram uma leve realização de lucros na posição de julho, em menos 0,13%, a US$ 6,56. Já o maio avançou mais de 15 pontos, a US$ 6,95, seguindo o pregão anterior em 25 pontos.

Na B3 (B3SA3), as cotações futuras passaram perto dos R$ 109 e recuaram para R$ 106, nos dois vencimentos mais próximos.
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Mais Lidas