Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Agricultor precisa de mais incentivo para aderir às práticas de sustentabilidade
Em entrevista ao Correio, pesquisadora da UnB Mercedes Bustamante discutiu temas como o desmatamento e o aquecimento global. Também falou sobre como a agricultura pode contribuir na gestão de recursos naturais
Publicado em 17/05/2021 às 11h55
Referência em estudos de mudanças climáticas, a pesquisadora Mercedes Bustamante destacou que o aquecimento global e as mudanças climáticas influenciam na sociedade e na economia de maneira superlativa. E citou soluções para a redução dos problemas enfrentados hoje no país e no mundo. "Para o Brasil dar a sua contribuição global para o controle do aquecimento e do desmatamento, é preciso resgatar as políticas públicas e gerar mais incentivos para adesão de agricultores às práticas de sustentabilidade".

A pesquisadora da Universidade de Brasília (UNB), que é integrante da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos (NAS), foi a entrevistada da edição desta sexta-feira (14/5) do CB.Agro, programa do Correio Braziliense em parceria com a TV Brasília.

Durante a entrevista, ela relembrou a importância de se continuar rumo a uma agricultura produtiva e sustentável. "Nosso país é uma potência na agricultura tropical e já mostrou, em um passado recente, que era capaz de controlar um desmatamento. Em 2012 e 2013, nós tivemos uma redução acentuada do desmatamento. A partir de 2014, essa curva voltou a subir. Então, isso é muito importante e já mostramos que pode ser possível e viável, também sem perder a produtividade na agricultura", afirmou.

Bustamante destacou que, em março deste ano, o país registrou recorde de desmatamento na Amazônia Legal, com 376,61 km² devastados. Os dados são da plataforma Terra Brasilis, desenvolvida pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que reúne pesquisas e monitora a área da Amazônia Legal desde 2015.

A pesquisadora reforçou, então, a importância no cuidado e preservação do meio ambiente. "É importante citar que essa questão do controle do desmatamento, que ela favorece, em primeiro lugar, o Brasil e a população. O pais é o primeiro a ganhar com a preservação do meio ambiente e dos biomas, como o Cerrado, a Amazônia e a caatinga, porque nós dependemos deles para a nossa qualidade de vida e da conservação desses sistemas. A questão internacional é importante de pensar, mas antes, nós seremos os primeiros beneficiados".
Fonte: Correio Braziliense
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.