Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Milho permanece valorizado na B3 ao longo desta 4ªfeira
Chicago também sobe com clima da América do Sul e novas exportações dos EUA
Publicado em 19/01/2022 às 12h00
Os preços futuros do milho seguem operando no campo positivo na Bolsa Brasileira (B3) ao longo desta quarta-feira (19). As principais cotações se mantinham flutuando na faixa entre R$ 89,00 e R$ 99,00 por volta das 11h32 (horário de Brasília).

O vencimento março/22 era cotado à R$ 99,80 com alta de 0,46%, o maio/22 valia R$ 97,01 com elevação de 0,70%, o julho/22 era negociado por R$ 90,50 com ganho de 0,37% e o setembro/22 tinha valor de R$ 89,89 com elevação de 0,66%.

De acordo com a StoneX, a queda de produção da primeira safra de milho no Brasil gera aperto na oferta e preços do cereal se mantendo elevados neste primeiro semestre até o início da colheita da safrinha na segunda metade do ano.

"A disponibilidade do primeiro semestre vem dos estoques de passagem mais a produção da primeira safra. Como já viemos de uma quebra de safrinha em 2021, o balanço será apertado e os preços vão continuar altos", pontua o analista de mercado da StoneX, João Pedro Lopes.

Mercado Externo

A Bolsa de Chicago (CBOT) também se mantém positiva para os preços internacionais do milho futuro nesta quarta-feira. A principais cotações registravam flutuações acima dos US$ 6,00 o bushel por volta das 11h20 (horário de Brasília).

O vencimento março/22 era cotado à US$ 6,05 com valorização de 6,00 pontos, o maio/22 valia US$ 6,05 com elevação de 5,25 pontos, o julho/22 era negociado por US$ 6,01 com alta de 5,25 pontos e o setembro/22 tinha valor de US$ 5,74 com ganho de 3,75 pontos.

Segundo informações do site internacional Farm Futures, os valores do milho seguem em alta com previsões ainda apontando calor intenso nos próximos 10 dias para o norte da Argentina, sul do Brasil e Paraguai.

"Os valores também podem ter sido apoiados por uma recuperação nas inspeções de milho, pois atingiram 47 milhões de bushels, com a China levando quase 14 milhões e o México e o Japão fazendo exibições respeitáveis", aponta a analista Jacqueline Holland.
Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Mais Lidas