Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Mudanças climáticas vão afetar produção de alimentos
Publicado em 19/01/2022 às 09h11
Foto Notícia
Alerta é do subdiretor-executivo de fundo de investimentos em clima da ONU; as secas serão mais intensas, e as enchentes, mais constantes.

Se nada for feito, os efeitos das mudanças climáticas vão trazer um cenário de grandes desafios para a América Latina e para o Caribe nos próximos anos.

A região vai presenciar secas mais constantes, chuvas mais intensas e inundações de maiores proporções. E um dos setores mais prejudicados será a agropecuária.

As preocupações são de Javier Manzanares, subdiretor-executivo do Fundo Verde do Clima (Green Climate Fund), o maior fundo de financiamento climático do mundo, criado pela Convenção Marco das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas.

Um dos principais setores entre os mais prejudicados será a agricultura, com perda de produtividade, devido a extremos de seca e de frio.

O cenário do ano passado já mostrou isso. Enquanto algumas culturas foram castigadas pelo excesso de calor e pela seca, outras foram prejudicadas pelo frio intenso, como ocorreu com o café.

Para Manzanares, é necessária uma mudança de gestão ou o processo produtivo de alimentos será afetado. Para dar respostas às mudanças climáticas, o fundo quer participar mais nas Américas com investimentos em mitigação da emissão de gás de efeito estufa e na busca de maior resiliência climática.

Nesta segunda-feira (18), quando Manuel Otero assumiu o segundo mandato à frente do IICA (Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura), o instituto e o FVC anunciaram uma iniciativa de redução da emissão de gás metano na pecuária, com recursos de US$ 100 milhões. A carteira do FVC é de US$ 20 bilhões.

O IICA é uma das entidades credenciadas pelo fundo para implementar projetos financiados pela sua carteira. No Brasil, o Funbio, o BNDES e a Caixa Econômica Federal também são credenciados.

Apesar de a agropecuária ser responsável por 25% das emissões de gases, é também um setor muito sensível às mudanças climáticas, e acaba interferindo na economia como um todo, diz Manzanares.
O setor é responsável por aproximadamente 5% do Produto Interno Bruto e 23% das exportações da região. Além disso, é responsável por 70% da água consumida.

"Isso nos obriga a ter uma agenda prioritária na avaliação dessas mudanças climáticas, e uma administração mais eficiente da água", afirma o subdiretor do fundo.

Mas a região não é só problemas. Graças aos seus recursos naturais e à sua biodiversidade, ela pode se converter em um líder mundial em preservação, segundo Manzanares.

Economias verdes podem ter um papel central, e o bom uso e a boa administração de recursos naturais geram um poder geopolítico importante. São duas partes da mesma moeda, segundo ele.

O fundo, por meio de entidades parceiras, financia projetos que visem a redução de emissões de gases e busquem dar maior resiliência aos fatores climáticos em países em desenvolvimento. O Brasil teve sete projetos aprovados, com financiamentos de US$ 380 milhões.

Manzanares diz que os projetos aprovados em mais de uma centena de países abrangem vários setores, entre eles agricultura, florestas, uso racional da água, uso da terra, indústria e geração de energia renovável.

As exigências para que um projeto seja aprovado englobam uma série de critérios de investimentos definidos pelo fundo.

Entre elas estão a participação de comunidades beneficiárias na formulação do projeto, quanto vai ser mitigado e a que custo, como o projeto beneficia grupos vulneráveis, cofinanciamento e estimativas de benefícios ambientais, sociais e econômicos.

Além disso, benefícios gerados para mulheres, população indígena e aceitação do projeto pelo governo do país.

O subdiretor do FVC não deixa de ter preocupações com o futuro da América Latina e do Caribe. "Se não conseguirmos desenvolver mecanismos mais flexíveis e mais ágeis de controle dos efeitos do clima, não vamos dar soluções para os produtores, principalmente para os pequenos", afirma ele.

Os esforços têm de gerar mecanismos de apoio a agricultores e pecuaristas, por meio de um fluxo melhor de financiamento e pela busca de processos mais eficientes de produção.

Entidades de apoio, como o IICA, têm papel preponderante nesse quesito, segundo ele. "Se não encontrarmos solução, os efeitos das mudanças climáticas vão afetar cada dia mais a agricultura e a pecuária"
Fonte: Folha de S. Paulo
Texto extraído do portal Brasilagro
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Mais Lidas