Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Alternativas a fertilizantes importados ganham terreno; conheça
Agricultura de precisão, rotação de culturas e adubação verde estão entre principais técnicas; país depende do exterior.
Publicado em 04/04/2022 às 08h06
Foto Notícia
Agricultura de precisão, rotação de culturas, plantio direto e adubação verde. Embora essas técnicas não sejam suficientes para evitar os impactos do conflito entre Rússia e Ucrânia na importação de fertilizantes, as alternativas podem ajudar a reduzir o uso do produto.

O Brasil, que é o quarto maior mercado consumidor de fertilizantes, importa cerca de 85% do que usa, sendo a Rússia a origem de 23%.

Com esse percentual de fertilizantes importados vindo justamente do Leste Europeu, o conflito na Ucrânia colocou o agronegócio em alerta devido ao risco de falta do produto.

Em diversas ocasiões nas últimas semanas, o ministério da Agricultura destacou que o Brasil tem estoque suficiente de fertilizantes para chegar à próxima safra, que começa a ser plantada em outubro. É a partir daí que a falta dos importados ---com destaque para fósforo, potássio e nitrogênio--- preocupa.

No caso do fósforo e do potássio, usados em grande quantidade pelo agronegócio, o país tem poucas fontes minerais de qualidade.

O conflito entre Rússia e Ucrânia teve início em 24 de fevereiro. Entre 10 de fevereiro e 10 de março, o preço de importação do MAP (fosfatado usado na lavoura) subiu 35%. A ureia subiu cerca de 50%.

"Certamente, essa alta de preços de fertilizantes deverá pressionar as margens dos produtores na safra de 2022/2023", diz Felippe Serigati, da Escola de Economia de São Paulo, da FGV (Fundação Getulio Vargas), e coordenador do Mestrado Profissional em Agronegócio.

O governo chegou a lançar nos últimos dias um plano nacional para fertilizantes que aponta, entre outras medidas, a necessidade de pesquisas para a utilização das minas existentes no Brasil para ampliar as fontes de matéria-prima disponível, ainda que de qualidade inferior quando comaparadas com as de outros países.

Para reduzir a dependência, uma saída mais próxima da realidade atual é tentar trabalhar com ciclagem de nutrientes e seu reaproveitamento, com adubação verde, rotação de culturas e sistemas integrados de produção.

Na adubação verde, algumas espécies de plantas têm a tarefa de preparar e dar nutrientes ao solo para que outros vegetais tenham condições de crescer.

Uma forma de fazer isso é plantar leguminosas, por serem ricas em fixar nitrogênio na terra e por poderem passá-lo para as culturas seguintes. Rotacionar os cultivos também evita a perpetuação de pragas.

"A soja e as leguminosas, de uma forma geral, são verdadeiras fábricas de nitrogênio e é preciso usar de forma mais inteligente os produtos importados", diz Jerri Zilli, pesquisador da Embrapa Agrobiologia.

"Muitos dos fertilizantes que são vendidos são NPK [nitrogênio, fósforo e potássio]. Se fosse abolido o nitrogênio mineral da cultura da soja, onde não é necessário, ele poderia adubar toda a lavoura canavieira no Brasil."

Ao usar a rotação de culturas ---em que há uma alternância de espécies em uma mesma área de cultivo--- também se reduz a presença de pragas e plantas daninhas e é possível melhorar as condições do solo, no longo prazo.

Um outro exemplo é o do engenheiro agrônomo e gerente de campo em Canhotinho (PE), Orlito de Oliveira Júnior, 40, que conseguiu convencer o proprietário da fazenda em que trabalha a utilizar um inoculante para absorção de fósforo em toda a lavoura de milho da propriedade.

"A alternativa foi muito importante, por conta da alta dos preços dos fertilizantes nos últimos meses. Fomos reduzindo aos poucos o uso dos produtos convencionais e apostamos nos insumos biológicos."

Ele conta que a fazenda teve uma redução de 15% nos custos de produção, ao fazer a substituição da adubação tradicional por fertilizantes mais concentrados e bioinsumos.

"Ainda não é possível substituir todos os produtos sintéticos, mas a alta de preços e a possibilidade de falta deles no mercado devem aumentar o uso de produtos menos agressivos na propriedade", diz Júnior.

De acordo com Celso Manzatto, também pesquisador da Embrapa, as técnicas disponíveis hoje ajudam a tornar mais eficiente a utilização de nutrientes no solo. "Temos alternativas, como o pó de rocha e outros materiais, que podem ser usados na agricultura. A procura da eficiência no uso também vai ser fundamental no próximo ano, para que esses nutrientes possam ser reciclados."

No caso específico do potássio, os solos em algumas regiões do país são deficitários, e a dependência de importações tende a continuar elevada, pondera.

Outra saída é o sistema de plantio direto, em que o objetivo é evitar ao máximo revolver o solo. O indicado é que isso seja feito apenas onde as sementes são depositadas. Com o plantio direto, o solo fica mais fértil e há reutilização de nutrientes.

A chamada agricultura de precisão, por sua vez, evita a aplicação de insumos na mesma quantidade em toda a propriedade, mapeando e avaliando as condições do solo para que o produtor saiba onde usar os produtos de forma mais eficiente.

Renato Borges, da Agrointeli, startup de Mato Grosso do Sul especializada em agricultura de precisão, lembra que o uso intensivo de fertilizantes acarreta em prejuízo econômico, aumentando os gastos na produção.

"A agricultura de precisão considera a heterogeneidade do solo, fazendo a aplicação em quantidade mais correta, conforme a necessidade de cada parte do terreno. A prática acaba se convertendo em ganho econômico para o agricultor, ele gasta menos dinheiro com esses produtos e tem uma redução de custos no produto final."

Borges complementa que a guerra na Ucrânia mostra como o agronegócio brasileiro não pode esperar a chegada da próxima crise internacional para agir.

"Ele terá maiores ganhos de produtividade, independentemente da crise. Mas é preciso montar um plano de ação eficiente em todas as áreas, para não permitir que a falta de fertilizantes se torne um problema sério no negócio. Com isso, o produtor pode usar e aplicar de forma correta defensivos, fertilizantes e sementes."

A redução da dependência dos fertilizantes importados também passa por um plano estratégico para o país nos próximos anos, lembra Zilli.

"A nossa indústria basicamente mistura importados com componentes nacionais. Em 2010, o Brasil tinha um plano de ser autossuficiente em ureia até 2015, mas muitas fábricas foram descontinuadas pela Petrobras. Faltou visão e é preciso recuperar o tempo perdido."

IMPACTOS AMBIENTAIS REFORÇAM SUBSTITUIÇÃO DE FERTILIZANTES

Além dos impactos econômicos, a redução do uso de fertilizantes sintéticos também tem um efeito positivo no meio ambiente. Considerando as emissões diretas do agronegócio, a atividade que mais polui (65%) é a fermentação entérica ---o popular "arroto do boi", mas o uso de fertilizantes sintéticos entra na categoria que representa 28,8% das emissões totais do setor.

Só em 2020, os produtos foram responsáveis por quase 30 milhões de toneladas de gases de efeito estufa na atmosfera. A pegada ambiental dos fertilizantes está ligada à liberação de óxido nitroso, um dos gases que mais contribuem com as mudanças climáticas.

De acordo com o Seeg (Sistema de Estimativas de Emissões e Remoções de Gases de Efeito Estufa), braço do Observatório do Clima, o aumento no uso de fertilizantes vem jogando as emissões do agronegócio para cima.

Em 2020, o crescimento percentual mais expressivo nas emissões do setor veio dos solos manejados, o que foi puxado pela explosão dos fertilizantes sintéticos.

Mesmo com a pandemia, o consumo do produto foi o maior já registrado na história do Brasil: 5,3 milhões de toneladas, um aumento de 20% em relação a 2019. Consequentemente, as emissões oriundas do uso de fertilizantes subiram também: 17,4% a mais do que 2019.

Para Renata Potenza, coordenadora de clima e emissões do Imaflora (Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola), a busca por alternativas aos fertilizantes tem um efeito relevante na redução dos gases de efeito estufa.

"Quando trabalhamos com as nossas fazendas, umas das soluções [que sugerimos] é a substituição de fertilizantes por outros mais orgânicos ou pela adubação verde. Eles até possuem um certo impacto em termos de emissão, mas é bem menor do que os fertilizantes nitrogenados e a ureia", explica.

Segundo ela, a opção por sistemas integrados ---a exemplo da ILFP (Integração Lavoura Pecuária Floresta) --- reduz a dependência dos insumos sintéticos, mas também traz outros benefícios, como a absorção de carbono no solo e nas árvores. "Com certeza essas soluções vão impactar ambientalmente do ponto de vista de emissões", afirma
Fonte: Folha de S. Paulo
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Mais Lidas