Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Usina de etanol da BSBios deve ampliar cultivos de inverno na região de Passo Fundo
Publicado em 24/06/2022 às 17h37
Nesta quinta-feira, 23, o protocolo de intenções para criação da primeira usina de etanol em larga escala de Passo Fundo (RS) foi assinado. Para produzir este etanol, a BSBios deve usar cereais em vez da cana, como tradicionalmente ocorre no país. Com isso, a demanda pelas culturas de inverno deve aumentar.

De acordo com o gerente de mercado da Stedile Semente, Mário Klein, a expectativa com a implantação da usina de etanol é "muito boa", sendo mais uma opção de comércio para as cultivares de inverno. O especialista lembra que os agricultores estavam diminuindo as lavouras comerciais de inverno e plantando apenas pequenas áreas para cobertura ou alimentação animal.

Klein destaca que o mercado do trigo já está em alta e teve um significativo aumento de área plantada na safra deste ano, em função da falta do produto no mundo. Com a chegada da usina de etanol da BSBios, que utilizará o cereal para produzir o combustível, a área deve ser ainda maior nos próximos anos.

O gerente acredita que as safras de inverno entrarão em um outro patamar daqui para frente. Para 2022 está prevista a maior safra de trigo da história. No entanto, não será a maior área plantada. No passado, eram cultivados mais hectares, porém a produtividade era menor.

Mario Klein explica que, para a produção de etanol, devem ser utilizados principalmente o trigo e triticale. Ele acredita que deverão ser criadas cultivares especiais para essa finalidade, até pela parceria firmada entre a BSBios e a BioTrigo.

O gerente de mercado também acredita que a BSBios vai absorver praticamente toda a produção de trigo da região, pois a empresa precisará de aproximadamente 100 mil hectares de produção para o etanol.
Fonte: Rádio Uirapuru
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Mais Lidas