Em Chicago, soja tem leve recuo nesta 4ª feira e busca mais informações sobre a safra dos EUA  

12/06/2019 - Os preços da soja têm leves baixas na Bolsa de Chicago na manhã desta quarta-feira (12). Os futuros da oleaginosa, por volta de 7h55 (horário de Brasília), perdiam entre 3,50 e 3,75 pontos nos contratos mais negociados, levando o julho a US$ 8,55 e o agosto a US$ 8,62 por bushel.

Segundo explicam analistas internacionais, o mercado segue seu momento em que espera por melhores definições da safra norte-americana para se posicionar. A real e efetiva ára plantada tanto de soja, quanto de milho permanece sendo o ponto-chave deste cenário.

Assim, os traders seguem esperando pelo boletim de área que o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) traz no final de junho, fazendo suas correções após um período que seria de conclusão do plantio no país.

Ontem, em seu reporte mensal de oferta e demanda, o departamento deixou seus números para a soja inalterados, enquanto promoveu uma considerável redução em suas estimativas para o milho. A oleaginosa, afinal, ainda conta com algumas semanas de janela de plantio e, por isso, apresenta um quadro bastante incerto.

Ao mesmo tempo, o mercado segue observando com a atenção as previsões climáticas e em que condições as lavouras norte-americanas irão se desenvolver. Afinal, não só o plantio está atrasado, mas também a germinação, o que irá afetar severamente a qualidade dos campos americanos.

No paralelo, é mantida ainda a atenção sobre as questões políticas. No final deste mês acontece a reunião do G20 no Japão, onde Donald Trump e Xi Jinping podem voltar a se encontrar. Entretanto, esta semana o presidente americano já afirmou que não pretende fazer um acordo com os chineses, "a menos que seja ótimo para os EUA". As negociações entre as duas maiores economias do mundo estão paradas neste momento.

Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Imprimir