Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Mercado financeiro global despenca nesta 2ª em estado de alerta e aversão ao risco pelo Coronavírus
Publicado em 27/01/2020 às 08h34
Foto Notícia
Alerta aos severos efeitos do Coronavírus, o mercado financeiro inicia a semana despencando entre os principais índices acionários e commodities. Na manhã desta segunda-feira (27), o petróleo perdia mais de 3% nas Bolsa de Nova York e Londres, enquanto as commodities agrícolas recuavam mais de 1% entre Nova York e a Bolsa de Chicago. por volta de 7h50 (horário de Brasília).

E como tradicionalmente acontece em momentos como estes, em que os investidores promovem uma corrida para ativos mais seguros, ouro se livra das grandes perdas e opera em alta nesta segunda, com ganhos de quase 1%. O gás natural também sobe e tem avanço superior a 3%. A prata também tem uma manhã de preços em alta.

Ao mesmo tempo, a soja operava com perdas de mais de 12 pontos, levando o contrato março a operar abaixo dos US$ 9,00 por bushel. O maio tinha US$ 9,03.

Como explicam analistas e consultores, o mercado global está em completo estado de alerta e com intensa e elevada aversão ao risco diante das últimas notícias sobre o Coronavírus. O número de mortos na China já chega aos 80 e há 14 países com casos confirmados.

O rápido avanço do vírus já fez com que o governo chinês estenda por mais três dias o feriado do Ano Novo Lunar, o que mantém grandes centros de compra e entretenimento fechados, fazendo com que não se alcance as metas de vendas no país, por exemplo, entre outros efeitos negativos de um momento como este.

Mais do que isso, analistas internacionais afirmam que este surto atinge a China em um momento já delicado de sua economia, e também da economia global. Em Xangai, as empresas estão proibidas de retomar suas funções antes de 9 de fevereiro.

Wuhan, a cidade de 11 milhões de habitantes que é o epicentro do surto de vírus, já está em confinamento virtual, com severos limites de movimento em várias outras cidades chinesas.

"Por mais que não tenha influência direta no quadro de oferta e demanda de grãos, a pandemia está afetando a postura dos fundos de investimento, que temendo efeitos econômicos negativos, estão reduzindo a exposição ao risco, inclusive nas commodities agrícolas. Por outro lado, ao se protegerem com dólares, oferecem suporte ao câmbio", explica Steve Cachia, consultor de mercado da AgroCulte e da Cerealpar.
Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.