Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Vantagem do açúcar sobre o etanol avança forte em abril
Publicado em 10/05/2021 às 17h07
Foto Notícia
O mês de abril foi marcado pela breve aceleração dos níveis médios de vantagem do açúcar cristal com até 150 Icumsa sobre as médias de negociação do etanol anidro e hidratado, de modo a fortalecer um padrão de vantagem observado desde dezembro de 2020 o qual, embora se distanciado do padrão médio de ganhos de 42% sobre o biocombustível, acaba recuperando parte dos ganhos observados anteriormente

O mês de abril foi marcado pela leve reversão da perda gradual da vantagem do açúcar sobre a média do etanol anidro e hidratado observada ainda em março, quando a commodity apresentara ganhos de 11% sobre o biocombustível. Já em abril estes ganhos acabaram sendo observados na faixa de 16%, isto depois de ter registrado uma máxima de curto prazo na faixa de 42,5%, ainda em dezembro de 2020. Logo, ainda que em tendência de queda, o padrão de vantagem do açúcar acabou por recuperar brevemente parte de sua vantagem, ou no caso, neutralizar parte de sua vantagem decrescente vista desde o início do ano.

No curto prazo vemos um movimento ainda delicado, sendo que os ganhos do açúcar ocorrem mais por recuos intensos do hidratado do que por avanços nos preços da commodity. O açúcar acabou apresentando quedas menos intensas nos preços no mercado interno o que acabou não se repetindo com o hidratado na margem. Enquanto a média de negociação do cristal com até 150 Icumsa recuou apenas 1,07% em abril, a média mensal do anidro acabou caindo 5,99% e o hidratado outros 4,61%, todos no comparativo de reais por saca de 50 kg.

Neste contexto, em abril, a média de negociação do etanol anidro oscilou em R$ 2,93 o litro enquanto que o hidratado oscilou em R$ 3,07 o litro, ambos na região de Ribeirão Preto. Estes valores convertidos para sacas de 50 quilos equivaleram respectivamente a R$ 87,96 e a R$ 96,03 os quais resultam em uma média de R$ 91,99 a qual serve de comparação com o açúcar. Neste mesmo período e nesta mesma região, a saca de 50 quilos do açúcar cristal, com até 150 Icumsa, oscilou na faixa de R$ 106,73 contra R$ 107,89 do mês anterior. Com isto, a vantagem de preço do açúcar branco sobre o etanol [média das cotações do anidro e do hidratado negociados no mesmo período e região] negociado no mercado interno ficou em 16,02% em abril.

A vantagem do açúcar acabou avançando 4,93 pontos porcentuais frente ao que fora observado no mês imediatamente anterior no qual a commodity remunerou 11,09% a mais que a negociações com o biocombustível. Apesar disso, quando comparamos com abril do ano passado podemos observar uma queda na vantagem de 32,10 pontos porcentuais do açúcar sobre o etanol quando, na época, a commodity remunerava 48,12,09% a mais que o biocombustível. Frente a média da safra, os dados de abril se mostraram em linha, visto que este é o primeiro mês da temporada nova 2021/22.

A expectativa da SAFRAS & Mercado para abril era de que a vantagem do açúcar sobre o etanol oscilasse na faixa de 23,90%. Com isto a estimativa ficou 7,87 pontos porcentuais abaixo dos dados efetivos do período em 16,02%. Já para maio a expectativa da SAFRAS & Mercado é que ocorra uma vantagem do açúcar sobre o etanol no mercado físico brasileiro na faixa de 15,39%. Estes cálculos levam em conta uma expectativa média de R$ 3,23 o litro para o hidratado, R$ 3,10 para o anidro frente uma saca de 50 kg na faixa de R$ 112,00. No longo prazo, desde janeiro de 2008, o açúcar apresenta uma vantagem de 30,32% sobre o etanol. Na média da safra 2020/21 para a commodity temos uma vantagem do açúcar sobre o etanol oscilando em 30,10%.

Mauricio Muruci
Analista pela Safras & Mercado, atua há 12 anos em análise econômica e de mercados agrícolas. Graduando em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores, não representando,
necessariamente, a opinião e os valores defendidos pela UDOP.