Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Produtores solicitam ao governo retorno da previsão da mistura obrigatória do biodiesel
Publicado em 18/05/2021 às 08h04
A direção da União Brasileira do Biodiesel e do Bioquerosene (Ubrabio) esteve nesta segunda-feira (17) com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, para solicitar a retomada da programação da mistura obrigatória do biodiesel ao diesel de petróleo. O percentual tinha sido reduzido temporariamente de 13% para 10% em março, mas terminou sendo mantido por mais um bimestre.

A ministra Tereza Cristina recebeu o presidente da Ubrabio, Juan Diego Ferrés, o vice-presidente para assuntos tributários, Irineu Boff, o diretor executivo Donizete Tokarski, e o empresário José Carlos Weschenfelder, da indústria Olfar Alimentos e Energia. A audiência foi acompanhada pelo senador Luiz Carlos Heinze (PP-RS).
Os empresários reiteraram à ministra a importância do complexo soja, principal matéria prima para a produção de biodiesel, tanto para a agricultura quanto para a indústria e o meio ambiente. "A interrupção da programação da mistura do biodiesel traz incertezas a todo o complexo soja que pode ser desestruturado com a medida", disse Diego Ferrés, presidente da Ubrabio.

O País exporta dois terços da soja em grãos e deixa a menor parte para a industrialização interna. Os empresários solicitaram à ministra que o governo volte a definir uma previsibilidade para o programa para que as industrias possam programar seus investimentos adequadamente.
Por lei, o percentual de mistura do biodiesel ao diesel fóssil deveria ser mantido em 13% desde março deste ano, elevado para 14% em março do próximo ano e para 15% em 2023. Mas por decisão do conselho nacional de política energética (CNPE) o índice de mistura foi interrompido.
Fonte: Urabio
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.