Quarta-feira, 20 de agosto de 2014
:
IMPRENSA

Agência UDOP de Notícias

Editorias

Galerias

Mídias Sociais

RSS

TV UDOP

Apoio Cultural

Contatos

Home > ÚLTIMAS NOTÍCIAS Diminuir a letra Aumentar a letra
Mercado de carbono exige sistema de informações  

20/12/13 - Se o governo brasileiro optar no futuro pela criação de um mercado de carbono para reduzir emissões de gases-estufa terá que antes criar um sistema detalhado de informações sobre as fontes emissoras, decidir sobre a governança, escolher quem entra na dança e debater critérios de confidencialidade.

Essas são algumas das recomendações de três estudos sobre o tema, que serão lançados hoje pelo GVCes, o centro de estudos de sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas (FGV), a que o Valor teve acesso com exclusividade. O trabalho foi feito com apoio do Ministério da Fazenda. Foi um ano de pesquisa e análise de quatro experiências internacionais já consolidadas: União Europeia, Califórnia, Nova Zelândia e Austrália.

"A ideia era ver quais são os elementos necessários para se construir um mercado de emissões, se um dia o Brasil quiser ter um", explica Guarany Osorio, coordenador dos estudos e do programa de política e economia ambiental do GVCes. O primeiro passo foi analisar como os outros países desenvolveram seus sistemas de monitoramento, relato e verificação de emissões - um diagnóstico que ficou conhecido pela sigla MRV nas negociações internacionais.

"Para dar preço e montar um instrumento econômico, é preciso montar um sistema que seja o mais acurado possível", diz Osorio. O MRV é uma espécie de radiografia de quem está emitindo, onde, quanto e que tipo de gás. "Cada tonelada de carbono será uma moeda com valor, por isso a informação tem que ser precisa", diz o pesquisador.

A experiência europeia, que tomou corpo em 2003 em função do Protocolo de Kyoto, pagou o preço de ser pioneira. A Europa iniciou seu mercado sem saber ao certo as emissões setoriais. "Subvalorizou alguns setores e supervalorizou outros, porque só havia estimativas agregadas. Por isso é preciso ter o histórico das emissões", diz Osorio. "Não dá para fazer um mercado de emissões do dia para a noite. É preciso ter uma linha de base."

A pequena Nova Zelândia inovou ao colocar todos os setores da economia dentro do processo, até os pescadores. Já a Califórnia mirou os produtores de energia elétrica, cimento, vidro, hidrogênio, ferro, aço, cal, ácido nítrico, petróleo e gás, papel e celulose.

Definidos os setores que devem começar a elencar as emissões, o passo seguinte é a forma de fazer o relato - base do segundo estudo do GVCes - e dizer quem é o órgão que executa a política. "O pilar para o relato das emissões costuma ser criar uma plataforma virtual robusta", diz Alexandre Gross, coordenador de projeto do GVCes.

Nas experiências estudadas pelo grupo, o órgão executor costuma ser o mais capacitado a lidar com emissões de gases-estufa. No caso brasileiro, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação coordenou os inventários nacionais de emissões.

O outro ponto é montar a estrutura de governança que irá receber as informações e verificá-las - a terceira ponta do tripé. Nos Estados Unidos, por exemplo, a agência ambiental EPA faz a verificação dos relatos de emissões dos estabelecimentos. Em outro caso, o poder público certifica empresas e terceiriza o processo.

A criação de mercados de carbono é uma iniciativa que vem sendo testada em sete províncias chinesas. A Coreia do Sul, México e Chile também vêm fazendo estudos. A Índia montou um instrumento econômico baseado em MRV e focado em eficiência energética.

O estudo da FGV reforça que é preciso respeitar as particularidades do país. "O foco nas emissões de gases-estufa é apenas um retrato da economia", diz Inaiê Takaes, pesquisadora do GVCes. "Mas os países em desenvolvimento são economias em crescimento e é preciso ver como aplicar este instrumento", diz ela. Há sistemas mais complexos que contemplam o cruzamento das emissões com as unidades de PIB, por exemplo.

Na construção do mercado de emissões, há algumas abordagens mais comuns, segundo o estudo. Em alguns casos ocorre a distribuição gratuita de permissões de emissão, em outras, ela é leiloada. Também são criados mecanismos de compensação e flexibilidade. A Europa estuda a criação de uma espécie de "banco central" para regulamentar o mercado.


Daniela Chiaretti
Fonte: Valor Econômico



Notícias Relacionadas:
 19/08 - Humanidade entra no ´cheque especial´ do meio ambiente, diz ONG
 13/08 - Ibama regulamenta perdão de multas por desmatamento ilegal
 11/08 - Em 16 anos, poluição do ar matará 256 mil
 29/07 - As cidades do futuro
 29/07 - Metano versus gás carbônico: cientistas se dividem
 28/07 - Grupo critica estudo de impacto do pré-sal
 28/07 - Burocracia verde
 28/07 - Crise da água cai nas agências reguladoras
 25/07 - Justiça suspende queima de cana na região de Limeira
 24/07 - Grupo Clealco realiza abertura do projeto escola no campo
 24/07 - Japão prepara subsídios a células de combustível em apoio a novidade da Toyota
 22/07 - Rota entre Estados Unidos e Brasil vai ficar mais sustentável graças ao uso de biocombustível de cana
 21/07 - Licença ambiental tem 30 mil normas
 18/07 - A idolatria do PIB
 18/07 - Licença ambiental trava ampliação de porto
 17/07 - Seca no noroeste paulista afeta até lavouras resistentes à falta de chuva
 17/07 - MS ganha legislação para reduzir emissões de gases do efeito estufa
 17/07 - Recursos nem tão naturais
 15/07 - Maricá, RJ, disponibiliza programa para medir emissão de gás carbônico
 11/07 - País neutralizou 100% das emissões de carbono na Copa, diz ministra
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Editorias
• Galerias
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/