Terça-feira, 17 de outubro de 2017
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia | Energia | Espaço Datagro
Etanol | Fórum de Articulistas | Investing.com | Investing.com Internacionais | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Economia Aumentar a letra    Diminuir a letra
Fipe: avanço no IPC refletiu alimentos mais caros e reajuste em remédios  

20/04/2017 - A aceleração da inflação na capital paulista medida pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPC) na segunda quadrissemana de abril foi reflexo do aumento sazonal de alguns produtos, pressão de preços administrados e de reajustes promovidos como em medicamentos. A avaliação é do coordenador do IPC da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), André Chagas. Da primeira para a segunda leituras, o IPC passou de 0,31% para 0,43%.

"Houve elevação, mas nada preocupante. Muito do aumento deve-se a questões sazonais e por causa de repasses devido a algumas decisões como mudança de bandeira tarifária vermelha, alta de impostos sobre carnes e aumento em remédios", explica Chagas. "Sobretudo, houve pressão maior em Alimentação (de 0,84% para 1,07%) e em Saúde (de 0,87% para 1,18%)", completa.

A expectativa da Fipe é que o conjunto de preços de alimentos avance para 1,21% no fim do mês, enquanto para Saúde aguarda 1,78%. "Os sinais são de que o reajuste autorizado de 4,76% para medicamentos deve vir integralmente até o fim do mês", diz, adiantando que no critério ponta (pesquisa recente), remédios estão subindo 4,46%. Com isso, a previsão para o IPC de abril foi revisada de 0,57% para 0,65%. Para o ano, a projeção prossegue em 4,26%.

De acordo com Chagas, a principal influência no grupo Alimentação veio dos in natura (de 4,15% para 4,78%), especialmente por conta do encarecimento de 71,99% do tomate. Sozinha, essa alta teve impacto de 0,19 ponto porcentual no resultado IPC. Ou seja, se não fosse esse efeito, o IPC da segunda quadrissemana seria de 0,24%, e não de 0,43%, explica. "Batata também ficou mais cara 13,69%", afirma. Já as verduras caíram 2,81% na segunda quadrissemana, depois da queda de 3,94% na primeira.

Já os alimentos industrializados voltaram a cair, 0,05%, na comparação com alta de 0,12% na primeira quadrissemana, influenciados especialmente pelo recuo nos preços dos derivados da carne para 0,76%, depois de cederem 0,47% na primeira leitura.

Curiosamente, diz Chagas, os preços de derivados caíram enquanto os da carne bovina subiram de 0,42% para 1,48% na segunda quadrissemana do mês, refletindo em parte do aumento de ICMS a partir de abril. "Parece que os efeitos da operação Carne Fraca apareceram mais nos derivados da carne", afirma.

Em razão do aumento em carne bovina, o segmento de semielaborados passou de queda de 0,10% para elevação de 0,56% na segunda quadrissemana. "Já estão subindo mais de 2,5% no ponta (pesquisa recente)", adianta, completando que a alta poderia até ser maior, caso a demanda não estivesse reprimida.

Já o grupo Transportes ajudou a limitar o avanço do IPC-S no período, segundo Chagas. Este conjunto de preços repetiu a queda de 0,61% da primeira quadrissemana, em razão do recuo de 7,35% em etanol e de 2,72% na gasolina.

A relação etanol/gasolina ficou em 71,77% na segunda semana de abril, na comparação com 71,29% na anterior. O número está acima da marca de 70% considerada favorável por especialistas para o álcool combustível.

Fonte: Estadão Conteúdo
Texto extraído do portal Faesp Senar
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
17/10/17 - Milho: traders preferem pouca exposição enquanto aguardam o avanço da colheita nos EUA
  - RS: Exportações do agronegócio têm aumento de 24,4% em setembro
  - Inflação anual da zona do euro se mantém em 1,5% em setembro e confirma prévia
  - Dólar sobe de olho em correção externa e com denúncia contra Temer no foco
  - Taxas futuras de juros tem viés de alta com dólar antes de denúncia contra Temer
  - Efeitos da economia em recuperação são lentamente percebidos, diz BC
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Fipe: avanço no IPC refletiu alimentos mais caros e reajuste em remédios
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
Se não consegue ler a palavra, clique aqui.
Digite a palavra:
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Medalha da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário/Workshop
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/