Quarta-feira, 15 de agosto de 2018
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Economia Aumentar a letra    Diminuir a letra
Apesar de inflação baixa, energia e combustíveis pesam no custo de vida  

10/08/2018 - A inflação se mantém baixa e está longe de ser uma preocupação, mas itens como energia elétrica e combustíveis seguem pesando no orçamento do consumidor, fazendo com que perdure a sensação de que a baixa inflação oficial não se reflete nos gastos do dia a dia.

Após a maior alta dos últimos 23 anos influenciada pelos efeitos da paralisação dos caminhoneiros, a inflação medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) desacelerou em julho.

A alta foi de apenas 0,33% em relação a junho, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Em 12 meses, os preços sobem 4,5%, bem acima da média em 12 meses registrada até maio, abaixo de 3%.

O consenso dos economistas, no entanto, é que a inflação deve perder força nos próximos meses e encerrar o ano mais próximo de 4,1%, em meio a um cenário de lenta recuperação do mercado de trabalho e grande ociosidade da produção, como aponta a MCM Consultores.

A despeito da trajetória mais contida da inflação cheia, os grupos de preços se comportam de modo diferente.

Enquanto os chamados preços livres (alimentos e vestuário, por exemplo) subiram 0,13% em julho, os administrados —aqueles estabelecidos por contrato ou por órgão público— avançaram 0,89%.

Em 12 meses, o descompasso é ainda maior: os livres sobem 2,2% e os administrados, 11,4%. Os pesos dados a cada grupo explicam o resultado final.

Como ficou claro nos protestos de maio, a maior contribuição para a alta dos administrados veio dos combustíveis. Em 12 meses, a gasolina subiu 28,4%, respondendo por mais de 40% da alta dos administrados. Também entre os itens que mais subiram, a energia elétrica avançou 18% no período.

Na outra ponta, o grupo alimentação caiu 0,12% em julho e, em 12 meses, tem leve alta de 1,4%. Vilões de outrora, como o tomate, caem mais de 23% no período.

Para Flávio Serrano, do Banco Haitong, a queda dos alimentos é importante porque o grupo tem um peso maior na cesta dos mais pobres.

Segundo o IBGE, o INPC (índice que calcula a inflação para famílias que ganham até cinco salários mínimos) sobe 3,6% em 12 meses, abaixo, portanto do IPCA.

"Parte da população vê que a gasolina ficou mais cara, mas não que o supermercado ficou mais barato. Apesar dessa sensação, estamos gastando menos", diz Serrano.

09/08/18
Flavia Lima

Fonte: Folha de S. Paulo
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
14/08/18 - Commodities lideram exportações do país em julho, diz FGV
  - Preços firmes do milho no mercado brasileiro
  - Bovespa sobe 1,0% com trégua externa e na véspera de vencimento futuro
  - A crise da Turquia não é só financeira e arrasta emergentes como o Brasil
  - Preço médio da gasolina nas refinarias sobe 1,29%, para R$ 1,9420
  - Comercializadoras de energia expandem negócios em meio a bom momento no setor
  - Onda de calor faz China registrar em julho maior produção de energia em anos
  - Mercado livre já responde por 30% da energia consumida no Brasil; entenda como funciona
  - Desligamento de SE interrompe 260 MW de carga no Piauí no domingo
13/08/18 - Níveis diminuem no Nordeste e reservatórios operam abaixo de 34%
10/08/18 - "Temos de repensar o setor petroquímico", diz Ivan Monteiro
09/08/18 - Cosan tem prejuízo no 2º tri, com impactos de protestos de caminhoneiros
30/07/18 - PA tem o etanol mais barato da Região Norte
26/07/18 - Esgoto da Sabesp vai virar combustível
23/07/18 - O recuo da ANP
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Apesar de inflação baixa, energia e combustíveis pesam no custo de vida
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Troféu da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário/Workshop
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/