UDOP - União Nacional da Bioenergia
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Economia Aumentar a letra    Diminuir a letra
Prisão de Temer e reforma de militares afastam Bolsa dos 100 mil pontos  

22/03/2019 - Após dois dias seguidos de notícias ruins para o governo Jair Bolsonaro (PSL) e para a reforma da Previdência, o mercado começa a levar para as cotações da Bolsa e do dólar a dificuldade de aprovação de mudanças nas aposentadorias, pauta primordial e que levou a Bolsa brasileira a encostar nos 100 mil pontos.

Nesta quinta-feira (21), a prisão do ex-presidente Michel Temer e de seu aliado Moreira Franco, ambos do MDB, adicionaram pessimismo que já vinha da véspera no mercado financeiro.

No pior momento do dia, o Ibovespa, principal índice acionário do país, chegou a cair mais de 2%.

A Bolsa encerrou em baixa de 1,33%, a 96.729 pontos, pior patamar em duas semanas e na contramão do exterior. Os principais índices americanos subiram cerca de 1%. O dólar avançou 0,90%, a R$ 3,8010.

A prisão de Temer, ordenada pelo juiz Marcelo Bretas, do braço carioca da Lava Jato, foi lida como um novo capítulo da disputa entre Poderes que se desenrola em Brasília e ocupa as atenções da classe política.

"Os políticos se identificam com ele [Temer]. Tira um foco do Congresso, que já estava com dificuldade de mover para a frente a reforma", afirma Marcelo Giufrida, sócio da Garde Investimentos.

Isso um dia depois de Bolsonaro entregar ao Congresso a imediatamente criticada proposta de reforma da Previdência dos militares.

Do lado dos parlamentares, o texto foi visto como benevolente com a classe ao propor a reestruturação da carreira.

Para o mercado financeiro, entrega uma economia pífia, de R$ 10 bilhões em dez anos. A proposta de mudança na aposentadoria dos civis projeta redução de R$ 1,1 trilhão no mesmo período.

E há ainda a queda acentuada de popularidade de Bolsonaro demonstrada em pesquisa do Ibope. Foram 15 pontos percentuais em menos de três meses, o pior início de primeiro mandato presidencial.

Conforme desidrata, mais o governo precisa barganhar com o Congresso para entregar a reforma, considerada difícil mesmo para políticos muito populares.

A percepção é que a enxurrada de acontecimentos ruins em período tão curto de tempo tira o foco do Congresso e desacelera a tramitação da reforma. O fato mais concreto foi o adiamento da escolha do relator da proposta na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça).

"A primeira etapa, da CCJ, estava encaminhada. A expectativa era que iria começar a incomodar na próxima fase, na comissão especial", afirma Victor Beyruti, membro da equipe de análise da Guide Investimentos.

"Para cima é que não vai depois dessas notícias. A 100 mil pontos, a 101 mil pontos é que não vai", acrescenta.

Segundo Giufrida, a disparada que levou a Bolsa para perto dos 100 mil pontos no começo da semana reflete um exercício matemático de investidores: qual a probabilidade de aprovação da reforma, em qual prazo e com qual economia.

Para ele, a economia rondaria os R$ 750 bilhões e a primeira aprovação, o primeiro turno de votação na Câmara, ocorreria entre junho e julho.

"O mercado trabalha com probabilidades. Cada um tem uma ideia de quando será a aprovação e quanto da reforma será aprovada. De ontem [quarta] para hoje [quinta] as probabilidades pioraram. Cresceu a dúvida sobre ser mais cedo e o montante", afirma Giufrida.

André Freitas, presidente da Hedge Investments, diz que o investidor local paga o preço de ter acreditado com tanta antecedência na aprovação de reformas.

Foram majoritariamente os investidores locais que conduziram a Bolsa para os 100 mil pontos, enquanto estrangeiros dão os primeiros passos que indicam algum retorno ao mercado local --o saldo no ano voltou a ficar positivo, mas ainda é a metade dos resgates de fevereiro.

"O estrangeiro quer ver para crer. Todos os ex-presidentes tentaram fazer reforma da Previdência", diz Freitas.

O tombo desta quinta não foi tão ruim quanto o da véspera, indicativo de que a crise atual tampouco é suficientemente grave para levar a uma corrida de investidores para venda de ativos.

"Não é que foi um dos piores dias da Bolsa. As pessoas estão reajustando expectativas, mas não tem nada perdido", completa Beyruti.

Tássia Kastner
Fonte: Folha de S. Paulo
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
18/09/19 - Ibovespa recua na abertura em dia de expectativa para decisões de juros
  - Índices da Europa têm variações limitadas antes de decisão do Fed
  - IGP-M reduz queda a 0,28% na 2ª prévia de setembro
  - Dólar abre perto da estabilidade à espera do Fed e do Copom
  - IPC-Fipe sobe 0,13% na 2ª quadrissemana de setembro
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Prisão de Temer e reforma de militares afastam Bolsa dos 100 mil pontos
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário: