Quinta-feira, 18 de julho de 2019
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Diversas Aumentar a letra    Diminuir a letra
Paraná fica três meses sem soja para combater ferrugem asiática  

12/06/2019 - Começou nesta segunda-feira (10) o período chamado de vazio sanitário da soja, no qual os produtores ficam expressamente proibidos, por três meses, de ter plantas da oleaginosa em suas lavouras. A medida tem como objetivo reduzir a incidência dos esporos de um temido fungo, o Phakopsora pachyrhizi, causador da principal doença que tira o sono dos sojicultores: a ferrugem asiática.

A doença tem potencial de prejuízos bilionários e até mesmo de inviabilizar a continuidade da cultura, caso não sejam tomadas as devidas precauções. No último ciclo, por exemplo, houve o registro de 58 casos no Paraná. O Estado foi o vice-campeão nesse quesito, atrás apenas do Rio Grande do Sul, com 127 casos. O Mato Grosso do Sul foi o terceiro com maior incidência: 54 casos. Os dados são do Consórcio Antiferrugem.

A engenheira agrônoma do SENAR-PR Flaviane Medeiros enfatiza que no período de 10 de junho a 10 de setembro, conforme portaria da Agência de Defesa Agropecuária (Adapar), nenhuma planta de soja deve existir nas lavouras paranaenses. "O período é importante porque interrompe o ciclo do causador da ferrugem asiática, que é um fungo biotrófico, ou seja, precisa da planta viva de soja para sobreviver. Esse período de vazio sanitário interrompe esse ciclo e reduz a incidência do fungo na hora que for ocorrer o plantio, a partir de 10 de setembro", explica.

Ainda de acordo com a técnica do SENAR-PR, é comum que na hora da colheita da soja fiquem sementes que caem da colheitadeira no solo, gerando o que se configura como plantas voluntárias. "As plantas acabam emergindo na lavoura. A recomendação é que se eliminem todas essas plantas. O produtor vai lá e faz a capina ou passa algum herbicida que mate essas plantas de soja", pontua.

Flaviane explica que é impossível eliminar o fungo por completo. Mas, com essa medida, de deixar o solo sem plantas hospedeiras, o que acontece é um retardamento no aparecimento da ferrugem na próxima safra. "É importante lembrar que a determinação é feita por meio de portaria e é obrigatória", lembra. Os produtores estão sujeitos desde multas até a interdição da propriedade caso não cumpram as recomendações.


Prejuízos bilionários

A Embrapa Soja, com sede em Londrina, no Norte do Paraná, estima que o controle da ferrugem asiática, por safra, consuma, em média, US$ 2,8 bilhões. As estratégias de manejo da doença são: o vazio sanitário, a utilização de cultivares precoces, a semeadura no início da época recomendada, o uso de cultivares com genes de resistência e o uso de fungicidas. Estes últimos vêm, em sua maioria, tendo sua eficiência reduzida a cada ano.

Para ajudar os produtores a ter mais informações sobre como estão os estudos sobre o uso de produtos químicos, manejos, focos de incidência e outras informações importantes, a Embrapa possui o seguinte site: www.embrapa.br/soja/ferrugem. Outra fonte importante de dados sobre o assunto é o site do Consórcio Antiferrugem: www.consorcioantiferrugem.net.

Fonte: FAEP
Texto extraído do portal Notícias Agrícolas
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
18/07/19 - Milho: Produção da 2a. safra no MS deve crescer 29,20%
  - Milho: MS deve colher 10,12 milhões de toneladas na safrinha, volume 29,2% maior
  - Milho: Mercado inicia sessão desta 5ª feira com fortes quedas em Chicago
  - Sem China, prêmios da soja no Brasil recuam 15 centavos em duas semanas. Custo do frete segue
  pressionando renda do produtor
  - Soja/USDA: EUA vendem 127,9 mil toneladas da safra 2018/19 na semana
  - Soja opera com estabilidade em Chicago nesta 5ª e mercado busca direção
  - Soja volta a recuar e acumula terceira sessão consecutiva de baixa em Chicago nesta 4ª
17/07/19 - Com grãos ardidos, alguns produtores de Diamantino/MT podem colher menos milho do que venderam
  antecipadamente
  - Estudo aponta que variedades precoces da soja são mais produtivas
  - Colheita da 2a. safra de milho no PR chega a 58% da área
  - Exportações de soja por Paranaguá geram US$ 2,13 bi no 1o. semestre
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Paraná fica três meses sem soja para combater ferrugem asiática
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Troféu da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Fórum de Implementação Tecnológica
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário UDOP de Inovação
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados

POLÍTICAS DE PRIVACIDADE
Desenvolvimento:
/