UDOP - União Nacional da Bioenergia
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Economia Aumentar a letra    Diminuir a letra
IBC-Br cai e tem pior julho em 3 anos em meio a recuperação ainda frágil  

13/09/2019 - A atividade econômica do Brasil recuou em julho sobre junho, no pior resultado para o mês em três anos, depois de dois meses seguidos de alta, mostraram dados do Banco Central nesta sexta-feira, em mais uma evidência do caráter ainda errático da recuperação econômica deste ano.

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), tido como uma "proxy" do Produto Interno Bruto (PIB), caiu 0,16% em julho na comparação com o mês anterior, em dados ajustados sazonalmente, informou o BC nesta sexta-feira.

Na comparação com julho de 2018, o IBC-Br subiu 1,31% e, no acumulado em 12 meses, avançou 1,07%.

O acumulado em 12 meses mostra perda de ritmo, já quem, no período até junho, o IBC-Br teve alta de 1,13%.

Em junho, o índice subiu 0,34% sobre maio, em dados ajustados pelo BC. Em maio, a atividade econômica aumentou 1,16% sobre abril.

Em julho de 2016, o IBC-Br recuou 0,23% sobre junho. Em 2017 (+0,39%) e 2018 (+0,52%), o mês foi positivo.

No trimestre móvel, contudo, o ritmo da atividade melhorou, saindo de queda de 0,11% no trimestre até junho para crescimento de 0,91% nos três meses até julho.

No acumulado de 2019, o IBC-Br sobe 0,78%.

A queda do índice em julho sobre junho contrasta com alguns indicadores mais positivos no começo do terceiro trimestre.

Na véspera, o IBGE informou que a atividade no setor de serviços do Brasil teve o melhor julho desde 2011. Também nesta semana, o instituto reportou que as vendas no varejo tiveram o melhor mês de julho em seis anos.

Em ambos os casos, porém, analistas do IBGE destacaram que uma recuperação consistente ainda é dúvida, devido ao elevado nível de desemprego e ao ritmo lento da atividade como um todo.

Os indicadores de agosto seguem mostrando cenário incerto. O setor manufatureiro cresceu no mês passado no ritmo mais rápido em cinco meses, enquanto a atividade no setor de serviços perdeu fôlego, conforme índices de gerentes de compras (PMIs) do IHS Markit.

A fraqueza na atividade tem referendado apostas de cortes de juros pelo Banco Central, que anuncia na próxima quarta-feira sua decisão de política monetária.

Analistas de mercado esperam que a taxa básica de juros (Selic) seja reduzida dos atuais 6% para 5% até o fim do ano. Enquanto isso, projetam que o PIB aumentará 0,87%, com crescimento limitado por uma esperada contração na indústria.

Fonte: Reuters
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
18/10/19 - Bovespa opera com pequenas variações
  - USDA: Vendas semanais de soja dos EUA ficam acima das expectativas do mercado
  - Se acordo para Brexit não sair, Brasil pode perder anualmente mais de US$ 700 milhões em
  exportações, calcula CNI
  - Oferta de ações do Banco do Brasil movimenta R$5,8 bi
  - Índices da China têm pior dia em um mês após dados fracos de PIB
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
IBC-Br cai e tem pior julho em 3 anos em meio a recuperação ainda frágil
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário: