Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
UDOP é contra projeto de lei que retira recursos de Universidades e da FAPESP
Publicado em 17/08/2020 às 11h53
Foto Notícia
No último dia 12 de agosto o governador de São Paulo, João Dória apresentou na Assembleia Legislativa do Estado o projeto de lei 529/2020 que prevê, dentre outras consequências, a retirada de mais de 1 bilhão de Reais das Universidades Públicas, como a USP, Unesp e Unicamp e ainda da FAPESP -- Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, principal fundação de apoio à pesquisa do Brasil. A UDOP, que há mais de cinco anos vem trabalhando no fortalecimento dos institutos de pesquisas através de parcerias sólidas com universidades e a própria FAPESP é contra este corte de recursos.

Segundo o presidente da UDOP, Amaury Pekelman, a iniciativa é desproporcional e trará enormes prejuízos para diversos segmentos, como o sucroenergético, por exemplo, que dependem das pesquisas de universidades e institutos privados, muitas deles financiados por recursos da Fapesp, para aumentar sua produtividade e competitividade e colocar o Brasil em local de destaque no cenário das energias renováveis em todo o mundo.

"Mesmo cientes do momento difícil que passa o Estado, não podemos aceitar que nossas universidades e a FAPESP percam importante fonte de recursos, essencial para que nossas usinas se mantenham na vanguarda das energias renováveis. As pesquisas não podem parar! Por isso vimos a público defender que este tema seja retirado do referido projeto de lei enviado pelo Governador e que trará prejuízos irreparáveis para a ciência e a pesquisa de uma forma geral", destaca Pekelman.

Segundo fontes ouvidas pela Agência UDOP de Notícias, os fundos da Fapesp não constituem superávit, como apresentado no PL do governador, mas sim reservas financeiras para projetos de pesquisa científica em andamento que, pela sua natureza, são de longa duração, ultrapassando o ano de exercício. "A aprovação desse projeto irá paralisar todas as atividades científicas do estado de São Paulo. Cientistas paulistas dentro de universidades públicas e com apoio da Fapesp têm atuado de maneira enfática para lidar com os desafios dos tempos atuais, incluindo a primeira identificação e sequenciamento do novo coronavírus no País, desenvolvimento e produção de respiradores de baixo custo, desenvolvimento de testes diagnósticos e de novas medidas terapêuticas, dentre muitos outros progressos", destacam entidades em manifesto que será enviado à Assembleia Legislativa.

Ainda segundo o manifesto, "entende-se a necessidade de austeridade fiscal no momento, mas a ciência é atividade essencial, tanto para enfrentamento de desafios atuais como para futuro desenvolvimento econômico. De fato, até a presente data São Paulo sempre se destacou economicamente no País por causa do seu sistema de universidades e da Fapesp".
Rogério Mian
Fonte: Agência UDOP de Notícias
Copyright© 2008 - UDOP.
Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução, desde que citada a fonte.
Mais Lidas