Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Primeiro caminhão elétrico feito em série no Brasil; saiba como funciona
Feito para entregas urbanas, veículo pode custar até R$ 980.000. Modelo desenvolvido pela Volkswagen no Brasil é produzido na fábrica de Resende (RJ).
Publicado em 22/10/2021 às 08h50
Foto Notícia
Qual tipo de veículo vem à mente quando pensa em modelos elétricos?

Bicicletas, patinetes e até carros podem ser os mais comuns de se pensar, mas a tecnologia pode ser também colocada em mais pesados, como os caminhões.

Essa é a aposta da Volkswagen Caminhões com o e-Delivery, o primeiro veículo elétrico do tipo feito no Brasil. O modelo foi desenvolvido pela filial brasileira a pedido da matriz, na Alemanha.

Pesado, mas nem tanto

O e-Delivery é um caminhão da categoria leve e seu peso pode variar de 4.380 kg a 4.950 kg.

Seu motor elétrico conta com 300 kW (409 cavalos) de potência e 220 kgfm de torque. Isso o leva a uma velocidade máxima de 100 km/h.

Sua autonomia --- o quanto dá para rodar sem recarregar --- pode variar de 110 km a 250 km, dependendo da configuração das baterias.

Qual o valor?

O e-Delivery tem preço a partir de R$ 750.000 na versão 4x2, que tem três packs (pacotes) de bateria. Na versão topo de linha, o veículo chega até R$ 980.000 na versão 6x2, e sobe para seis pacotes de bateria.

Seu valor, no entanto, é bem mais alto que um modelo similar com motor a diesel. Um caminhão com a mesma proposta, mas sem o motor elétrico, sai por cerca de R$ 350.000.

Além de vendas diretas, a empresa tem negociado lotes para empresa, como a Ambev. Ao todo, 200 unidades do caminhão já foram vendidas.

Onde é produzido?

A produção do Volkswagen e-Delivery é feita na fábrica de Resende (RJ) da Volkswagen Caminhões. O projeto piloto com testes do modelo nas ruas teve início em 2018, mas a produção em série começou em junho de 2021.

Onde deve andar, recarga e carga

O modelo foi feito para uso urbano, levando carga de centros de distribuição para entregas locais.

Na hora de recarregar, as baterias levam cerca de duas horas para receber a energia em modo de recarga rápida, com o uso de um aparelho especial que agiliza o processo. Se for com o carregamento convencional, isso pode levar até 6 horas.

Sua capacidade máxima de carga é de 6.320 kg, na versão de entrada, e 5.750 kg, na topo de linha.
Fonte: Portal G1
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Mais Lidas