Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Analistas temem interferência na Petrobras mas há esperança na blindagem a preços
Publicado em 24/05/2022 às 11h15
As ações da Petrobras despencavam nesta terça-feira depois que o presidente Jair Bolsonaro trocou novamente o CEO da estatal, a segunda mudança na liderança em dois meses, aumentando preocupações de analistas sobre interferência governamental na empresa, apesar de alguns ressaltarem uma blindagem legal para a política de preços.

José Mauro Ferreira Coelho é o terceiro CEO da Petrobras demitido por Bolsonaro em meio a um descontentamento do presidente com a política de preços dos combustíveis. Caio Mario Paes de Andrade, um alto funcionário do Ministério da Economia, foi indicado para substitui-lo.

A demissão veio após a empresa ter se recusado a vender combustíveis com desconto aos consumidores, alertando que isso levaria à escassez de diesel, segundo apurou a Reuters.

"Os investidores provavelmente verão a mudança como uma intervenção direta relacionada ao preço do combustível no Brasil", disse o JPMorgan, em nota ao mercado, lembrando que Coelho havia repassado um aumento no preço do diesel em seus 40 dias de mandato.

Segundo o BTG Pactual, "embora a governança corporativa da Petrobras tenha evitado até agora interferências mais diretas, nós tememos que o verdadeiro teste ainda esteja por vir".

"Em última análise, achamos que o novo CEO enfrenta um difícil dilema: como preservar o próprio emprego seguindo as políticas da empresa e sem comprometer a disponibilidade de combustível do Brasil?", afirmou o BTG Pactual.

O banco destacou que é importante seguir os preços internos na paridade de importação "para manter um abastecimento saudável de combustível para o país, que depende de importações e cuja oferta é suficiente para atender a demanda".

Segundo a XP Investimentos, embora a notícia da mudança seja negativa, "pois tal rotatividade não é saudável para nenhuma empresa, não vemos isso como uma mudança na política de preços de combustíveis da Petrobras".

"Primeiro, porque ainda vemos a Lei das Estatais e o estatuto da Petrobras blindando a empresa de subsidiar combustíveis como no passado, independentemente de quem é o CEO. Em segundo lugar, o Sr. Caio é fortemente ligado a Paulo Guedes, que não é a favor de mudanças na política de preços de combustíveis da Petrobras".

A Genial Investimentos foi na mesma linha.

"O Sr. Caio Andrade é membro do Ministério da Economia. Sendo assim, achamos pouco provável que o mesmo venha a trazer propostas radicais para a empresa", disse, ponderando que a notícia deve aumentar a volatilidade no papel.

Os papéis preferenciais da Petrobras abriram em queda de mais de 4,5% na B3 nesta terça-feira, mas recuavam 2,8% por volta das 10h35.

Para o Citi, a mudança "cria risco em torno de continuidade" da estratégia de longo prazo da Petrobras, mas o banco também observou que a legislação corporativa do país pode proteger o investidor de eventuais interferências.

"Apesar de vermos a mudança como um sinal negativo, o Brasil ainda possui uma governança corporativa forte e leis que protegem o acionista minoritário contra possíveis intervenções externas", acrescentou.

O Citi lembrou que, após várias mudanças na alta administração da petroleira no governo Bolsonaro, a empresa manteve sua estratégia de: 1) desalavancagem de seu balanço; 2) alocação racional de capital; e 3) política de preços de combustíveis alinhada aos mercados internacionais.

"A nosso ver, esse tripé não só cria um ciclo virtuoso para a empresa, mas também mantém o abastecimento de combustíveis fluindo para o mercado interno (o Brasil é um país importador líquido de diesel/gasolina)", destacou.

As ações da Petrobras no pré-mercado da bolsa de Nova York deram indicações de registrar a pior sessão desde fevereiro de 2021, quando caíram 21% depois que o então CEO Roberto Castello Branco foi deposto.

Em Nova York, os papéis da estatal acumulam alta de 48% neste ano.
Reuters
Texto extraído do portal Notícias Agrícolas
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Mais Lidas