Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Commodities agrícolas aguardam os ecos da super quarta em baixa geral
Publicado em 15/06/2022 às 16h26
Foto Notícia
Antes que os ecos da super quarta entrem nos preços das commodities agrícolas, as cotações tendem a ficar em baixa. Às 8h20 (Brasília), todas caem em Chicago e Nova York.

O mundo vai saber do novo tamanho das taxas de juros nos Estados Unidos e os importadores vão conhecer o impacto no câmbio com a alta igualmente dos juros no Brasil.

A decisão do Federal Reserve em 0,75 pontos percentuais pode determinar mais fuga dos ativos de risco, com recursos indo para portos seguros, como os títulos do governo e dólar.

Em 50 pontos base, como vinha sendo esperada até que a inflação recorde acumulada até maio embaçasse as previsões, pode aliviar um pouco a pressão.

Em relação ao Brasil, a tendência de aumento em 0,5 ponto percentual na conclusão da reunião do Banco Central, ao final do dia, elevando a Selic a 13,25%, pode voltar a acomodar as últimas altas do dólar com nova onda de ingressos em renda fixa.

Dólar mais alto sempre é boa notícia para os importadores e exportadores.

Há, contudo, algumas pendências subjacentes sobre os reflexos cambiais.

Além da dúvida se a nova acelerada da política contracionista será a última do ano -- o que vai ficar mais claro somente quando for divulgada a ata da reunião do Copom -, há também o cenário da covid na China, atrapalhando a economia, e a guerra em curso na Ucrânia.

E, claro, o tamanho que vai ficar os juros nos EUA, apontando ou não o pavio para riscos de estagflação global ou apenas recessão.
Giovanni Lorenzon
Fonte: Money Times
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Mais Lidas